631

BEATRIZ SARLO RELEMBRA VIAGENS PELA AMÉRICA DO SUL

Livro mescla autobiografia e História

BURNOS AIRES – Tudo começou quando chegaram a suas mãos algumas fotos que a levaram a relembrar aventuras da juventude, quando ela e alguns companheiros universitários viviam guiados por um “populismo sentimentalista” e pelo desejo de viver, em carne própria, a “ilusão revolucionária latino-americana”. Foi assim, pelo correio, que a escritora argentina Beatriz Sarlo recebeu o impulso que marcou o nascimento de seu mais recente livro, “Viagens. Da Amazônia às Malvinas” (e-galáxia), que ganhará lançamento exclusivo em e-book na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip). Na quarta-feira, dia 1º de julho, a autora abrirá a 13ª edição do evento, que homenageia Mário de Andrade, com a conferência “As margens de Mário”, e no sábado, dia 4, participará da mesa “Turistas aprendizes”, com a escritora e jornalista portuguesa Alexandra Lucas Coelho.

 

 

Em entrevista ao GLOBO, Sarlo explica por que, na maioria dos capítulos, optou por uma narração através de um “coletivo, um protagonista plural”, que buscou representar “a experiência de um grupo de fanáticos, com alto grau de ingenuidade”, que durante vários anos compartilhou viagens por um continente que já não existe.

 

— Conhecemos uma América Latina épica, muito diferente da que existe hoje e tornou-se atração turística internacional — conta Sarlo, em seu escritório no centro de Buenos Aires.

 

Reviver o passado, porém, não tem a menor conotação melancólica para a autora. Não se trata de rememorar a juventude perdida. Nada disso. O objetivo é outro:

— Gostaria de transmitir uma experiência com o diferente. Este é um livro benevolente com tudo o que é diferente, com um alto grau de ingenuidade.

 

Seja numa travessia pelas províncias do Norte da Argentina; em visita à recém-inaugurada Brasília, na década de 60; durante uma inesquecível convivência com uma tribo de jibaros na Amazônia peruana ou numa cobertura jornalística nas Ilhas Malvinas, Sarlo mostra experiências que abriram seus olhos e, em alguns casos, os de seus companheiros de viagem.

 

Era um grupo pequeno, menos de dez pessoas, unidas pela vontade de conhecer o território latino-americano em travessias por terra e mar, realizadas com grande esforço físico. Estudantes de várias universidades portenhas, entre elas Arquitetura, Letras (no caso da escritora) e Fisioterapia, entre outras, que aproveitaram vários verões para conhecer outras cidades e países, levando em suas bagagens apenas uma bolsa de dormir e um casaco. “Éramos amigos do trekking”, resumiu Sarlo.

 

MERGULHO NAS REALIZADES LOCAIS

A viagem a Brasília foi longa e incluiu vários meios de transporte: caminhão, ônibus e barca. Depois de uma breve passagem pelo Rio, o grupo chegou ao destino sonhado, onde queria “estar em contato com o modernismo da arquitetura brasileira”. A meta era ver de perto o trabalho de Oscar Niemeyer, Lucio Costa e Roberto Burle Marx, entre outros.

 

— Um dos colegas estudava arquitetura, mas eu também estava muito envolvida com as estéticas de vanguarda — diz a escritora, que sempre se interessou por arquitetura.

Sarlo se lembra muito bem do que viu na visita a Brasília, uma cidade, afirmou, “que já não é a mesma”:

 

— Fomos uns dos últimos que vimos uma Brasília recém-inaugurada, praticamente deserta.

O grupo dormia, quase sempre, em edifícios públicos. A comodidade não era uma questão relevante. O importante, para todos, era mergulhar nas realidades de cada um dos lugares que visitavam. Na Bolívia, viram de perto a revolução liderada pelo general Juan José Torres (presidente do país entre 1970 e 1971), um processo que cativou Sarlo e a fez pensar em trocar Buenos Aires por La Paz. Um dos capítulos do livro conta a viagem a uma Bolívia em estado revolucionário, onde os estudantes tiveram acesso às mais altas autoridades do Palácio Quemado, entre eles o ministro de Urbanismo, que, uma vez derrubado o governo de Torres, pediu ajuda a seus amigos argentinos quando chegou, de trem, a Buenos Aires.

 

— Sem conhecer ninguém em La Paz, pedimos uma entrevista com o ministro de Urbanismo e no dia seguinte estávamos comendo em sua casa. Isso é impensável hoje, uma loucura.

 

Ela recorda “outra América Latina, que vivia com uma expectativa revolucionária muito intensa”.

 

— Era o clima da época, tinha ficado entusiasmada com o lugar e estabeleci uma relação intensa com a cultura boliviana, que mantenho até hoje. É uma dessas paixões que temos em nossa vida. Era jovem e nós éramos fanáticos por natureza — assegura.

 

Nos últimos anos, a escritora, que em 2003 encerrou suas atividades como professora de literatura argentina na Universidade Nacional de Buenos Aires (UBA), deu cursos em universidades dos Estados Unidos e Inglaterra, entre elas Columbia, Berkeley e Cambridge. Sarlo é uma das grandes referências em estudos culturais no mundo, acaba de ser premiada na República Dominicana e já foi condecorada pelo governo brasileiro. Ela se reconhece como discípula da vertente britânica dos estudos culturais (Raymond Williams e Richard Owen) e destaca a influência de Roland Barthes em seu trabalho. Quando era uma estudante de Letras, porém, a jovem Sarlo queria apenas ter experiências locais, conhecer de perto outras culturas, encontrar igrejas e tribos perdidas pelo continente.

 

Na Amazônia peruana, outro dos capítulos de seu livro, os estudantes passaram uma semana vivendo com uma tribo de jibaros, encontrada quando eles estavam caminhando perdidos pela selva.

 

— Quando fomos à Amazônia não sabíamos que encontraríamos uma tribo de jibaros, se tivéssemos tido essa informação teríamos ido com certos preconceitos, porque era a tribo que, no passado, cortava cabeças — brinca Sarlo, que lembra do encontro como uma experiência incrível. — Eles nos detiveram, vestidos com suas roupas tradicionais. Com sinais, entendemos que tínhamos de ir com eles. Eram todos muito amáveis e nós tínhamos um amor instantâneo por qualquer camponês: éramos populistas sentimentais.

 

Foram vários dias de convivência, até que o Exército peruano descobriu que os jovens argentinos estavam numa região de conflito com o Equador (conflito que se mantém até hoje) e decidiu detê-los para averiguar quais eram seus objetivos.

 

— Queriam saber se estávamos fazendo espionagem para o Equador, essa é minha hipótese. Quando responderam que éramos cinco bobos, nos liberaram. Nós não sabíamos que era uma região de conflito, nossa ignorância era infinita.

 

CLIMA TERRÍVEL NAS MALVINAS

No capítulo “Uma estrangeira nas ilhas”, Sarlo narra sua experiência nas Malvinas, em 2012, segundo ela “a última viagem importante que terei feito em minha vida”. Ir às Malvinas não era algo pendente para a escritora. A questão representa um trauma para Sarlo que, em 1982, se opôs à invasão comandada pela última ditadura argentina (1976-1983). Ela e uma pequena minoria. Foi difícil enfrentar um respaldo quase unânime à última aventura dos ditadores argentinos, que acabaram dando um tiro no próprio pé. Perderam a guerra e, pouco depois, o poder.

 

— Foi um movimento patético de patriotismo territorial. Depois disso, nunca esteve em minha cabeça ir às ilhas, me parecia que não era preciso conhecê-las para pensar que os que moram lá têm direito a expressar seus interesses e suas necessidades sobre seu próprio destino — explicou Sarlo, uma das poucas intelectuais renomadas da cultura argentina que se atreve a expressar, publicamente, sua visão crítica sobre a política de recuperação das ilhas, defendida, com unhas e dentes, pelo kirchnerismo e pela maioria dos governos que vieram depois da ditadura.

 

A escritora foi às Malvinas em março de 2013, quando realizou-se um referendo sobre a soberania das ilhas. Enviada pelo jornal “La Nación”, Sarlo passou uma semana morando com uma família kelper (como são chamados os moradores) e confirmou tudo o que já pensava sobre o conflito:

 

— Quem viveu a guerra viu um soldado argentino, portanto, estrangeiro, batendo na porta da sua casa. Os que não viram, sabem que isso aconteceu e alimentaram fantasias sobre esse passado. Nenhum latino-americano sabe o que isso significa.

 

Para a escritora, “todos os argentinos patrioteiros deveriam morar um tempo nas Malvinas, até mesmo os patagônicos. O clima é verdadeiramente terrível. Eu estava equipada para ir à Antártida e tive frio o tempo todo”.

 

— Eles (os kelpers) amam essas ilhas. É um povo instalado. Os jovens terminam sua escolaridade na Inglaterra, moram dez anos por lá e, em 70% dos casos, depois voltam para as Malvinas — diz Sarlo, que, para encerrar sua posição, indaga:

 

— O que aconteceria se todas as fronteiras europeias voltassem ao que eram no século XIX?

Sua frustração, reconhecida e detalhada no livro, foi não ter conseguido se aproximar dos jovens que moram nas ilhas. Nem mesmo suas “botas vermelhas, que fora de Buenos Aires sempre provocam comentários”, conseguiram abrir as portas de uma conversa mais profunda com as adolescentes da família que a hospedou.

 

— Tentei me aproximar dos mais jovens, mas não houve jeito. O hermetismo foi total.

 

Sarlo também recupera parte de sua infância, as férias na província de Córdoba, para demonstrar uma das teses do livro: a de que “também somos produto das viagens de outros, dos que nos rodeiam”.

 

Fonte: O Globo

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , , ,
1 Comentário

1 Comentário

  1. Camila says:

    Gostaria muito de adquirir seu livro…mas não to encontrando…se por gentiliza me mandar um nomes de site q posso encontrar…fico grata
    CAmila

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.