515

O SUICÍDIO COMO TABU

Angelita Aparecida F de Souza – 7° semestre
Jader Silva Tabosa – 7° semestre
Wellinton Luiz de Souza – 7° semestre
Orientadora: Roberta Ladislau Leonardo

 

O foco deste artigo é falar sobre o suicídio de uma maneira mais informal e para iniciar bem essa conversa, é necessário primeiramente quebrarmos tabus e o suicídio, para a sociedade, é um tabu. É um tabu para a mídia, é um tabu para as pessoas no geral, é um tabu em qualquer âmbito social, muitas vezes até mesmo dentro do campo da saúde ele é um tabu. Podemos discutir inúmeras horas sobre o que leva esse assunto a ser um tabu, inclusive não é tão difícil, é um assunto que tem uma carga emocional forte para todas as pessoas e causa desconforto ao se abordar ele.

 

Além das horas de estudo que tenho sobre o assunto, a convivência com as pessoas me faz entender porque alguém que sofre com depressão, ansiedade e passa por constantes momentos lutando contra a ideação suicida muitas vezes se esconde, esconde o sentimento, desvia o assunto, entre outras formas de lidar com a situação. O que leva a isso é o senso comum. O senso comum que as pessoas tem ao se tratar do assunto como: “Isso é frescura, é só você parar de pensar nisso que passa”, “Porque você tem de ser tão negativo? A vida é tão bonita”, “Isso aí só pode ser droga”, “Mas olha, eu acho que se você trabalhar, você vai melhorar, isso aí é cabeça vazia”, “Isso é falta de Deus”, “Vai pra igreja orar e pedir a Deus que você melhora”, ou pior, “Isso é coisa do satanás, você tá é possuído”. Acho que todo mundo já deve ter escutado ou lido em algum lugar sobre alguém que falou dessa forma sobre o assunto, não é tão difícil se deparar com isso, então, já é possível entender o começo do problema?

 

O problema em se transformar algo em tabu é justamente o quão pouco um assunto se torna explorado não só na comunidade acadêmica como na sociedade em geral e também no campo da saúde. Portanto, o senso comum aparece como uma ferramenta para que as pessoas compreendam o mundo, primeiro se analisando para depois se observar efetivamente, sendo uma forma de comportamento social. Busca-se preencher as lacunas de informações que cercam os indivíduos com aquilo que se vivencia ou percebe com base nas experiências pessoais e experiências alheias, gerando novos conceitos e pré-conceitos com base em vivências pessoais ou de gerações passadas que são transmitidas para as próximas, sempre comparando, classificando e organizando, muitas vezes gerando uma visão estereotipada do assunto e pior ainda, dos indivíduos que sofrem com o sentimento .

 

Para lidar melhor com essa questão e trazer esse assunto à tona, o suicídio deveria ser abordado de forma empática por toda a sociedade, começando por uma conversa franca entre as pessoas que estudam o assunto a fim de buscar melhorias para esse problema de saúde pública. Para elucidar um pouco mais a realidade, estão aqui alguns dados, de acordo com o relatório da OMS (Organização Mundial de Saúde) de 2014, o Brasil é o 8º país no mundo com o maior índice de suicídio, ainda de acordo com o G1 “em 2012 foram registradas 11.821 mortes, sendo 9.198 homens e 2.623 mulheres (taxa de 6,0 para cada grupo de 100 mil habitantes)”. Então é importante não negligenciarmos essa realidade, O SUICÍDIO EXISTE. Pessoas que sofrem com esse sentimento existem aos montes, pessoas que tentaram o suicídio existem, bem como pessoas que ainda irão tentar pela primeira vez ou de novo…

 

Precisamos abrir os olhos do mundo, precisamos quebrar esse tabu, nós podemos sim conversar sobre isso, é uma questão de saúde pública, é uma questão de humanidade para com o próximo, precisamos escutar com mais atenção, prestar atenção nos sentimentos das pessoas, acolhê-las quando necessário, auxiliar, desenvolver nossa empatia e, principalmente, compreender que o suicídio precisa ser tratado. Não é frescura. Não é falta de Deus. É sofrimento. Procure um profissional da saúde mental sempre.

 

(Quem quiser olhar com mais calma, abaixo estarão alguns links com os dados das pesquisas completos, entre outras informações sobre o que foi abordado no texto.)

 

https://nacoesunidas.org/oms-suicidio-e-responsavel-por-uma-morte-a-cada-40-segundos-no-mundo/

 

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2014/09/brasil-e-o-8-pais-com-mais-suicidios-no-mundo-aponta-relatorio-da-oms.html

 

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712002000200013

 

Categoria: Retrato
Tags: , ,
Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.