BIOGRAFIA DE MANUEL BANDEIRA CHEGARÁ ÀS LIVRARIAS COM 9 ANOS DE ATRASO

Escrito em 2006, texto teve a circulação impedida pelos herdeiros do poeta

RIO — Uma pequena biografia sobre Manuel Bandeira, escrita por Paulo Polzonoff Jr. há nove anos, vai, finalmente, chegar às lojas nas próximas semanas.

 

A decisão ocorre após a determinação do Supremo Tribunal Federal, no dia 10, de impedir a autorização prévia de biografias.

O texto, que integrava a coleção Perfis do Rio, teve, em novembro de 2006, a circulação barrada pelos herdeiros do poeta, que se incomodaram com o teor do livro.

 

— A família disse que já estava preparando uma biografia e não queria uma segunda. Também reclamou de questões controversas presentes no livro, como a associação de Bandeira à boemia e ao uso de cocaína. Por fim, alegou que o perfil seria um pretexto para publicar poemas do autor sem o pagamento de direitos autorais, o que é um absurdo, porque tivemos o cuidado de inserir apenas trechos que ilustravam a trajetória do autor — diz o editor Alberto Schprejer, da Relume Dumará, hoje propriedade da Ediouro.

 

Na época, foram entregues 500 exemplares do livro à Prefeitura, que apoiou o projeto dos Perfis do Rio. A obra, porém, nunca chegou às lojas.

 

Paulo Polzonoff Jr. diz que sequer lembra-se do conteúdo do livro:

— Consegui achar uma cópia num sebo. Vou reler. Mas estou feliz com a decisão.

 

Fonte: O Globo

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , ,
1 Comentário

NOS 70 ANOS DE SUA MORTE, MÁRIO DE ANDRADE GANHA PRIMEIRA BIOGRAFIA

Livro de Eduardo Jardim enfatiza a derrota do projeto cultural do escritor

RIO – Você já ouviu falar muito dele. Mário de Andrade (1893-1945), afinal, foi por décadas uma figura central da cultura brasileira – e seu nome ecoa até hoje. Teses foram escritas sobre ele. Suas cartas são publicadas há 20 anos. Seus textos são estudados nas escolas. O papa do modernismo, cuja morte completa 70 anos na próxima quarta-feira – fazendo com que sua obra entre em domínio público em 1º de janeiro de 2016 -, será homenageado na Festa Literária Internacional de Paraty deste ano, que acontece em julho, e em uma série de lançamentos. Assim, parece o criador de um projeto de arte e de um Brasil vitoriosos – mas não é bem assim.

 

Pelo menos não é essa avaliação de “Eu sou trezentos – Mário de Andrade: vida e obra” (Edições de Janeiro/Biblioteca Nacional), de Eduardo Jardim, primeira biografia de um homem visto por muito tempo como “imbiografável” (por medo de que a abordagem sobre a sexualidade do pensador pudesse gerar processos judiciais). O livro carrega uma visão mais pessimista que o usual. O Mário de Andrade retratado por Eduardo Jardim não é um vencedor, mas um homem que dedicou sua existência a um projeto artístico e de nação – para vê-lo derrotado no fim da vida.

 

Não à toa, ele vai ficando mais amargurado. O Mário morreu com 51 anos. Você pega as fotos dele e vê uma pessoa arrasada, um homem velho – afirma Jardim, professor aposentado do Departamento de Letras da PUC-Rio. – Os admiradores de Mário o apresentaram como um escritor consagrado, mas ele foi sacrificado pelo ponto de vista autoritário.

 

Os últimos anos do modernista, sobre os quais Jardim já havia se debruçado em “Mário de Andrade – A morte do poeta” (Civilização Brasileira, 2005), têm importância crucial nessa tese. Depois de ser demitido do Departamento de Cultura de São Paulo, em 1938, com o Estado Novo, Mário entra em um período de depressão. Enquanto esteve à frente do órgão, viu-se perto de concretizar seu credo modernista de uma arte social que servisse a interesses coletivos do país. A reforma proposta por ele visava criar canais entre cultura erudita e popular, nacional e estrangeira, fundar uma arte para estabelecer vínculos comunitários.

 

Com a demissão – acompanhada de acusações de corrupção -, Mário muda-se para o Rio, onde entrega-se à bebida e fica afastado de amigos queridos que moravam na cidade, como Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira. Nomeado por Gustavo Capanema, passa a ocupar cargos menores no Ministério da Educação e Cultura – incompatíveis com quem já tivera uma centralidade na vida cultural do país. Mesmo assim, ele ajudou a fundar as bases do que hoje é o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). E sua visão de conservação do patrimônio cultural é usada até hoje.

 

- O Capanema quebra o Mário de Andrade. Bota ele no Rio como um zé ninguém, um funcionário que tinha que bater ponto. Você imagina um intelectual da estatura dele batendo ponto? No meio do Estado Novo, ele tinha um projeto antiautoritário, de inclusão – afirma Jardim.

 

Um dos momentos simbólicos de seu sentimento de derrota é uma conferência em 1942, na qual Mário se mostra melancólico. Aproximando-se de Murilo Miranda, Lúcio Rangel e Carlos Lacerda – à época comunistas -, ele adere à ideia de uma arte de combate. E começa a cobrar de amigos um posicionamento na luta política. Chega a defender que é preciso abdicar da arte para combater o fascismo. Mas Eduardo Jardim não é pessimista.

 

- O modernismo é o movimento intelectual mais importante do Brasil. Chamar a atenção para seu projeto frustrado convida a avaliar sua importância. Sim, nosso horizonte histórico é muito diferente. A distância possibilita a compreensão – afirma o autor.

 

Suporta homossexualidade intimidava candidatos a biógrafo

 

A suposta homossexualidade de Mário de Andrade sempre intimidou candidatos a biógrafo. Os amigos do escritor jogaram um véu sobre o tema – e, mesmo quando Manuel Bandeira publicou sua correspondência com o amigo, muita coisa foi rasurada. Moacir Werneck de Castro foi o primeiro a falar do assunto, em 1989, no livro “Mário de Andrade – Exílio no Rio”, não sem causar polêmica.

 

Eduardo Jardim não se esquivou da questão, mas não cita casos amorosos do modernista. E mostra que definir o autor de “Macunaíma” (1928) como gay não serve para rotulá-lo. A vivência do erotismo marca vários de seus contos e poemas, afinal.

 

- A obra dele é marcada pela sexualidade num sentido mais amplo que isso, com uma dimensão instintiva e sensual. Ele dizia que ficava movido sensualmente por uma árvore, uma coisa de grande sensibilidade. E isso surgia acompanhado de uma censura muito forte. Mário vivia sua sexualidade de uma forma muito tensa. No conto “Frederico Paciência” isso aparece de forma muito clara – diz Jardim, que mostrou o livro antes de ser publicado a Carlos Augusto de Andrade Camargo, herdeiro do modernista, e afirma que não recebeu nenhuma sugestão de mudança.

 

Até hoje, a Fundação Casa de Rui Barbosa guarda uma carta de Mário para Bandeira, que foi lacrada quando o acervo do amigo do modernista foi doado à instituição. Especula-se que ela conteria alguma informação sobre a sexualidade de Mário. O segredo é tanto que há mesmo quem negue a existência da carta – mas ela existe.

 

Os conflitos de sua vida sexual são só uma parte das tensões que marcam a obra do modernista – e a tornam interessante, diz o biógrafo. Seu pensamento estético funda-se numa oposição entre o lirismo e a inteligência; entre o elemento nacionalista e o universal; a cultura letrada e a popular; o instinto e a razão; e, no fim da vida, entre o artista e seu compromisso político.

 

- Quando essa tensão se quebra, é o momento de crise na vida dele – afirma Jardim.

 

O pesquisador, que fez entrevistas e voltou à ampla correspondência de Mário, garimpou duas frases que mostram uma veia antissemita. Em uma delas, comentando os retratos que Portinari e Lasar Segall haviam pintado dele, o autor diz: “Como bom russo complexo e bom judeu místico ele (Segall) pegou o que havia de perverso em mim. (…) A parte do Diabo. Ao passo que Portinari só conheceu a parte do Anjo”.

 

Embora tenha morrido frustrado, Mário de Andrade foi o intelectual brasileiro mais importante do século XX, na visão de Jardim. Ele defende, porém, que ainda não foi feita uma avaliação crítica do modernismo.

 

- Acho que toda tentativa de fazer “reviver” o modernismo é bastante equivocada. Temos que medir a distância que nos separa. Ele continua sendo a mais importante referência na nossa história intelectual, mas devemos avaliá-lo criticamente – conclui Jardim.

 

Fonte: O Globo

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , ,
1 Comentário

VOCÊ CONHECE A BIOGRAFIA DO PAPA JOÃO PAULO II?

Canonização do Sumo Pontífice ocorre 6 anos após sua morte

Muito se falou nesta semana sobre a beatificação do Papa João Paulo II. O primeiro Papa não italiano da Igreja Católica, em 450 anos, foi proclamado beato, pelo seu sucessor, Bento XVI, numa cerimônia seguida por milhões de pessoas em todo o mundo.

A beatificação de João Paulo II, no Vaticano, foi anunciada em 14 de janeiro, depois da comprovação por decreto de um milagre atribuído à intercessão de Karol Wojtyla (1920-2005), relativo à cura da religiosa francesa Marie Simon-Pierre, que sofria de Parkinson, tal como o Papa polaco. A canonização completa requer um segundo milagre, o que segundo a imprensa, não deve ser um problema em vista das centenas de fiéis que se apresentam favoráveis à causa.

Vejamos agora se você realmente conhece o perfil do Papa João Paulo II. Confira mais na biografia abaixo, publicada pelo caderno Eu, Estudante:

O papa João Paulo II, que morreu no dia 2 de abril, não nasceu com esse nome. Ele chamava-se Karol Jozef Hubert Wojtyla e nasceu no dia 18 de maio de 1920, na cidadezinha de nome Wadovice, na Polônia. Seu apelido de infância era Lolek. Católico desde pequeno, não rejeitou a Deus nem quando perdeu a mãe, aos nove anos, e o irmão, com 12. Aos 21 anos, ainda teve que suportar a dor de encontrar o pai morto. A partir daí, ficou praticamente sozinho no mundo e decidiu deixar de lado a carreira de ator— sim, João Paulo II tinha o dom para atuar — e foi ser padre.

Conseguiu a ordenação em 1946, com 26 anos de idade. Karol Wojtyla também sofreu com a Segunda Guerra Mundial. Chegou a ser atropelado por um caminhão e escapou por pouco da SS, a polícia nazista. Com formação em teologia (o estudo de Deus) e filosofia (o estudo da sabedoria, ao pé da letra), ele virou cardeal em 1967 e sempre lutou contra o comunismo. Essa foi sua bandeira maior, principalmente depois que se tornou papa, em 1978, e passou a ser considerado um dos principais responsáveis pela queda do regime, em 1989.

Com 26 anos, ele tem o terceiro maior pontificado da história da Igreja Católica — só fica atrás de Pio IX e São Pedro, o primeiro papa —,depois de 263 papas, segundo dados oficiais. Visitou 129 países em todo o mundo, sendo que a Organização das Nações Unidas possui 191 países-membros. Por isso Karol Wojtyla também é chamado de “papa peregrino”, ou seja, que viaja muito. No Brasil, por exemplo, ele esteve quatro vezes: 1980, 1982 (mas ficou menos de um dia, pois estava de passagem para ir a Argentina), 1991 e 1997 (quando ficou só no Rio de Janeiro).

Também se transformou no papa que mais canonizou santos: 482, sendo que de 1594 até 1978, os outros pontífices canonizaram apenas 302 pessoas. Como primeiro papa não italiano em mais de quatro séculos, Karol Wojtyla teve inúmeros fãs, mas também muitos críticos. Isso porque ele era carismático e falava muitas línguas, além de primar pela justiça social: adorava ajudar os pobres. Ao mesmo tempo, tinha fama de conservador nos assuntos de moral, como aborto, divórcio, homossexualismo e liturgia (uma das partes integrantes da Igreja).

Com informações do Correio Braziliense.

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , , , ,
Comentar
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.