É PRECISO CHECAR ITENS BÁSICOS DE SEGURANÇA DOS TRANSPORTES ESCOLARES

Muitos pais recorrem aos serviços sem antes verificar alguns pontos. No ano passado, o total de irregularidades flagradas pelo Detran cresceu mais de 50%

O início do ano letivo se aproxima e as famílias começam a pensar na organização da rotina das crianças. Em alguns casos, fica difícil conciliar o expediente dos pais com a entrada e a saída dos filhos nas escolas. Uma das soluções usuais é o transporte escolar. Para se precaver, os pais devem estar atentos a uma lista de itens para garantir a segurança e o conforto dos pequenos. Dos 1.453 veículos cadastrados no Departamento de Trânsito do DF (Detran), 1.053 possuem autorização para circular. Muitas empresas oferecem esse serviço sem cumprir qualquer pré-requisito exigido pelo Detran.

 

A servidora Calléria Witczak sempre contratou uma van para levar os filhos, João Marcos e Clarissa, à escola sem problemas graves

 

 

Calléria Cavalcante Monteiro Witczak, 43 anos, é servidora pública e entra no trabalho ao meio-dia. O horário nunca permitiu a ela levar ou buscar os filhos, João Marcos, 12 anos, e Clarissa, 9, na escola. “Desde os 3 anos, eles vão de van para a aula”, conta. Moradora do Sudoeste, ela havia os matriculado em um colégio na mesma região administrativa. Mas decidiu trocá-los de escola e hoje os filhos estudam na 913 Sul. Cliente do serviço de transporte há nove anos, Calléria não se arrepende. “Nunca tive problemas graves, apenas brigas entre as crianças e o início de bullying com meu filho. Quando ele me contou, conversei com o motorista. Disse que ele não poderia permitir que esse tipo de episódio acontecesse”, afirmou.

 

Íntegra: Correioweb

Categoria: Em pauta
Tags: , , , ,
Comentar

ESCOLAS OFERECEM AULAS DE CIRCO PARA TRABALHAR A CONCENTRAÇÃO DOS ALUNOS

Curso ensina equilíbrio, concentração e expressão corporal às crianças. Escolas regulares adotam curso circense no contraturno da grade regular.

Com 15 tatames e algumas bolas, pratos de plástico e malabares, o professor Pedro Cauê Marques Levy, de 23 anos, transforma a área de recreio do Colégio Itatiaia, em São Paulo, em um picadeiro. As aulas de circo na escola, realizadas uma vez por semana durante 50 minutos, começaram em 2011 e, dois anos depois, o grupo já dobrou de tamanho. Oferecida como opção de atividade extracurricular em colégios particulares, as aulas circenses vêm ganhando espaço por engajarem crianças e adolescentes em exercícios físicos de forma lúdica e estimularem a concentração, a disciplina, a expressão corporal e o trabalho em equipe, incluindo a confiança em si mesmos e nos colegas.

 

O Colégio Itatiaia introduziu as aulas de circo na grade extracurricular em 2011  (Foto: Raul Zito/G1)

 

Segundo Tamira Vital Nogueira, assistente de coordenação da Unidade Paraíso-Paulista do Colégio Itatiaia, a escola sempre busca atividades extracurriculares diferenciadas para oferecer aos alunos, mas é o interesse das crianças que faz com que as novidades se transformem em tradição.

 

Alunas brincam com malabares durante aula de
circo do Colégio Pueri Domus (Foto: Divulgação)

 

Atualmente, 20 alunos de cinco a 11 anos participa das aulas, pelas quais seus pais pagam R$ 65 à parte da mensalidade. Mesmo depois de um dia inteiro de aulas, os pequenos têm energia de sobra para saltitar sobre o tatame em linha reta e de costas, engatinhar de barriga para cima com o apoio apenas dos pés e das mãos, deitar sobre a nuca com as pernas para cima, jogar malabares para o alto e equilibrar pratos giratórios sobre um palito. Tudo sob o comando de dois professores –um segundo foi contratado para dar conta da demanda em alta.

 

Na quinta-feira (14), Lucca Augusto Neto completou 7 anos e, além da festa com os pais e colegas no Itatiaia, onde cursa o segundo ano do fundamental, ele ganhou a regalia de voltar mais cedo para casa. Mas, segundo a mãe, o garoto pediu para voltar ao colégio, pouco depois. “A gente estava fazendo a lição de casa e ele falou ‘mãe, tem a aula de circo’”, contou a administradora Vivian Carneiro Neto.

 

Lucca começou as aulas de circo em 2011, quando se matriculou no colégio. “Acho que ele nunca se identificou tão bem na vida”, afirmou a mãe.

 

O gerente de informática Daniel Antonio Augusto Neto, pai do garoto, conta que se surpreendeu no início deste ano com o aumento de crianças matriculadas no curso. “Muitos ficavam só olhando e queriam brincar. Para eles, no final é uma brincadeira”, disse.

 

Vivian explica que observou, durante o último ano, o desenvolvimento das habilidades do filho. A corda de tecido, por exemplo, sempre desafiou Lucca, que não tinha a força nos braços exigida. Mas, durante a apresentação de fim de ano preparada para os pais, o garoto conseguiu completar a acrobacia e a apresentou como surpresa para a mãe.

 

Lucca, de 7 anos, faz uma cambalhota na corda de tecido (Foto: Arquivo pessoal)

 

O pai não pensa na possibilidade de Lucca se machucar durante as aulas de circo. Para ele, como as crianças não praticam a corda de uma altura muito alta, as chances de se machucarem não é maior que em outras aulas da escola. “É a mesma chance de levar uma bolada”, explica Augusto Neto.

 

Criatividade e auto-conhecimento
O Colégio Pueri Domus acrescentou as aulas de circo em 2010 em uma lista que inclui rúgbi, esgrima, coral e capoeira, entre outras atividades de suas quatro unidades na Grande São Paulo. O objetivo, segundo a escola, é “despertar nos alunos a criatividade, a coletividade, a concentração e o auto-conhecimento, envolvendo o aspecto cultural, educacional e esportivo”.

 

Atualmente, a escola afirma ter 30 alunos matriculados nas aulas de acrobacias, corda bamba, malabarismo, cama elástica, perna de pau e esquetes de palhaço, que são oferecidas pela Trupe Educação e Picadeiro. O valor varia de R$ 150 a R$ 170, dependendo do número de dias na semana em que o aluno participa.

 

Rafaella e Luana equilibram um prato de plástico
giratório (Foto: Raul Zito/G1)

 

De acordo com o diretor administrativo da trupe, Kaoê Gonçalves, outras duas escolas contrataram o serviço em São Paulo, e o número de alunos matriculados atualmente é de cerca de 200.

 

Gonçalves explica que as aulas de circo atraem porque oferecem uma atividade física sem os obstáculos do formalismo das academias e da competitividade dos treinos de modalidades esportivas. “Quando a gente vai a uma academia normal, a gente sofre só de ouvir falar que tem que fazer dez abdominais. Mas, quando vai fazer uma atividade no trapézio, a gente usa o mesmo músculo, só que sem aquela coisa muito rígida, formal, do exercício pelo exercício”, afirma.

 

Atividade lúdica e inclusiva
As aulas diferem da educação física porque os objetivos pedagógicos são diferentes, diz o especialista. Elas estariam mais próximas dos treinos que os alunos costumam fazer no contraturno das aulas regulares. Mas, no caso do circo, as atividades não excluem os alunos de acordo com a habilidade em um determinado esporte. “No circo é o contrário, tem espaço para todo mundo”, diz o diretor. “O menos habilidoso vai ter dificuldade para fazer malabares, por exemplo, mas pode ajudar a fazer figura coreográfica.”

 

A faixa etária em que as aulas ganham mais popularidade são nos primeiros anos do ensino fundamental. De acordo com Gonçalves, uma idade apropriada para ensinar os conceitos por trás dos palhaços é no segundo ciclo do fundamental, na pré-adolescência e início da adolescência. “Quando a criança fica muito mais tímida, retrai um pouco no mundo dela, acha que tem alguma coisa que a sociedade impõe e ela não se enquadra, é aí que entra o trabalho do palhaço.”

 

O artista e professor Pedro Levy faz demonstração com malabares de fogo para os alunos do colégio (Foto: Raul Zito/G1)

 

O professor Julio Micheletti Jr, dono da empresa de cursos de arte e cultura que oferece as aulas no Colégio Itatiaia, afirma que começou a oferecer atividades circenses há cerca de dois anos, aproveitando o aumento da procura de aulas de circo em academias e em escolas especializadas. Na época, diz, era preciso bater de porta em porta nas escolas para convencer a diretoria. “Hoje, elas procuram a gente”, afirmou Micheletti.

 

Júlio disse que atende a mais de cinco escolas e que o número de alunos que participam da aula de circo subiu de 14 para 80 em apenas dois anos.

 

As aulas de circo são oferecidas na própria escola, em um espaço com equipamento instalado pelas empresas e profissionais especializados na área. “No começo, tentei com professores de educação física, sem especialização, mas não deu muito certo”, diz o professor e empresário. Pedro Levy, o “tio Pedro” dos alunos de circo, dá aulas em três colégios de São Paulo, é formado em educação física e especializado em artes circences, além de pesquisar arte e teatro.

 

Acrobacias, equilíbrio e trabalho em equipe fazem parte das atividades de circo nas escolas
(Foto: Raul Zito/G1)

 

Fonte: G1 Íntegra

Categoria: Fique de Olho
Tags: , , , , ,
Comentar

APRENDER AS TAREFAS DOMÉSTICAS É MATÉRIA OBRIGATÓRIA NA SUÉCIA

Limpar a casa, lavar e passar roupas, cozinhar e lavar louças são um dos itens que os alunos na Suécia são obrigados a aprender para passar na disciplina de tarefas domésticas.  E quem pensa que essas atividades são exclusivamente femininas ou que há diferença nas tarefas desempenhadas por homens e mulheres está enganado. Lá, a matéria faz parte do currículo obrigatório e é para meninos e meninas.

 

 

O objetivo é preparar os alunos para que desde cedo saibam dividir as tarefas domésticas sem preconceito.

 

Aqui no Brasil essa disciplina também poderia ser obrigatória. Foi-se o tempo em que cuidar da casa era responsabilidade somente da mulher.

 

Fonte: Só notícia boa

Categoria: Acontece
Tags: , , , , ,
Comentar

CRIANÇAS DE ESCOLA PÚBLICA TÊM TARDE DE PROSA COM CARTUNISTA ZIRALDO

O encontro aconteceu no Museu Nacional

Os mais de 70 anos de diferença entre o homem no palco e quem estava na plateia não atrapalharam a comunicação. Falaram e brincaram como velhos conhecidos. Tiveram uma “tarde de prosa”, como o convidado fez questão de chamar. Com jeito imperativo, Ziraldo, 79 anos, pedia silêncio às 600 crianças acomodadas no auditório. Diante da missão impossível de conter os risos e os cochichos, ele contou até três. Depois, perguntou: “Quem aqui já leu algum livro meu?”. Quase todos levantam os braços, com empolgação.

 

Não havia entre as centenas de convidados quem nunca tivesse ouvido falar no Menino Maluquinho. Após 60 anos de carreira, Ziraldo continua exercendo fascínio. Ontem, ele recebeu meninos e meninas, a maioria alunos de escolas públicas do Distrito Federal, para um bate-papo, no Museu Nacional do Conjunto Cultural da República. No mesmo espaço, está em cartaz a exposição Zeróis: Ziraldo na tela grande.

 

Fonte: Correio Web

 

 

Categoria: Acontece
Tags: , , , ,
Comentar
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.