FEIRA CAPITAL ESTUDANTE

Feira Capital Estudante – O Seu Guia do Futuro chega à terceira edição com mais atividades e temáticas novas para auxiliar os estudantes na escolha de sua carreira profissional. Confira!

 


 

Data: 29 a 31 de outubro (quarta a sexta)

Hora: Das 9h às 20h

Local: Pátio Brasil Shopping (W3 sul)

 

A 3ª edição da “Feira Capital Estudante – O seu Guia do Futuro”, será realizada entre os dias 29 e 31 de outubro no Pátio Brasil Shopping, das 9h às 20h. Com o objetivo de estimular o aprendizado e o desenvolvimento dos estudantes, o evento disponibiliza diversas oportunidades de aprimoramento e planejamento profissional reunindo, em um só lugar, informações sobre graduação, pós-graduação, intercâmbio, cursos técnicos e de idiomas, concursos públicos e mercado de trabalho.

 

Para isso, a Feira Capital Estudante conta esse ano com 50 expositores entre instituições acadêmicas, cursos técnico-profissionalizantes, entidades governamentais financiadoras de estudos e projetos, entre outros. Empresas preparatórias para concursos públicos e vestibulares vão informar as oportunidades de ingresso nas carreiras públicas e as opções profissionais da atualidade – tanto para jovens que buscam o primeiro emprego quanto para profissionais experientes. A UnB também estará fortemente presente, com um stand de 96m com destaque para as atividades desenvolvidas nos Campus de Planaltina, Ceilândia e Gama. A expectativa é que cerca de 20 mil pessoas passem pelo local.

 

Desta vez, os 3.000m² na varanda externa do Pátio Brasil Shopping foram delimitadas em áreas segmentadas, o que permite debater os assuntos tematicamente. O “Espaço do Futuro”, por exemplo, contará com iniciativas do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE), Instituto Euvaldo Lodi (IEL), dentre outros, desenvolvendo ações para abordar temas relativos ao mercado de trabalho.

 

O “Salão do Intercâmbio” abordará programas de bolsas de estudos internacionais, intercâmbios e programas de voluntariado em várias partes do mundo, com a presença de diversas embaixadas, esclarecendo os estudantes e demais visitantes sobre assuntos como vistos, hospedagem, seguro saúde, câmbio e carteira de estudante. Tudo para tornar o estudo no exterior ainda mais proveitoso. Representantes da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) ainda ministrarão palestras sobre o projeto Ciência sem Fronteiras. A iniciativa busca fortalecer a Educação, principalmente na área de ciência e tecnologia.

 

O “Espaço do Saber” oferecerá atividades técnicas interativas, oficinas, mesas-redondas e ofertas de qualificação, visando atender as demandas dos setores da indústria, comércio, serviços e agronegócio, que enfrentam sérios problemas de falta de mão de obra qualificada.

 

Arena do Conhecimento

 

Uma das principais áreas do evento, na Arena do Conhecimento serão realizados simulados, oficinas, palestras, cursos e aulões com dicas para o PAS, concursos públicos e vestibulares. Também será montado um QG do ENEM, disponível para todos os estudantes presentes esclarecerem as suas dúvidas sobre o teste. Além disso, todos os dias, o evento recebe um convidado especial para a palestra de encerramento das atividades diárias. Quarta-feira, 29/10, a jornalista Glenda Kozlowski relata sua trajetória de sucesso, de campeã de bodyboarding a apresentadora de TV. Quinta-feira, 30/10, será a vez da atleta Leila Barros expor suas experiências no voleibol e o trabalho social com o projeto Amigos do Vôlei. Quem fecha a programação, sexta-feira, 31/10, é Cícero Pereira Batista, o ex-catador de lixo que por conta da sua perseverança e das oportunidades de estudo conseguiu se formar em medicina.

 

Serviço

 

Feira Capital Estudante – O Seu Guia do Futuro

Data: 29 a 31 de outubro (quarta a sexta)

Hora: das 9h às 20h

Local: Pátio Brasil Shopping (W3 sul)

Informações: www.capitalestudante.com.br

Entrada franca

Classificação livre.

 

Fonte: DeBoa Brasília

Categoria: Fique de Olho
Tags: , , , , , , , , ,
Comentar

CONHEÇA A HISTÓRIA DE BRASILEIROS QUE ENSINAM A POUPAR PENSANDO NO FUTURO

Tudo que José Luiz de Almeida conquistou foi trabalhando duro e economizando. É a historia de uma pessoa comum, por assim dizer, a vitória que poderia ser de qualquer um de nós.

Um lugar tranquilo, com ar puro, cercado de verde. Um carrinho incrementado para fazer trilha. E uma casa ampla, bem planejada, com 200 metros quadrados, para curtir com a família. Quem nunca sonhou com um futuro assim?

 

A história do José Luiz de Almeida é boa porque ele nunca teve nenhuma grande sacada com o dinheiro, nunca ganhou na loteria nada disso. Tudo que ele conquistou foi trabalhando duro e economizando. É a historia de uma pessoa comum, por assim dizer, a vitória que poderia ser de qualquer um de nós.

 

Repórter Dirceu Martins:  O senhor está livre?
Seu José: Estou livre.

 

Seu José Luiz é taxista no Rio de Janeiro. Ele se mudou para a capital aos 20 anos, porque onde nasceu, em Miracema, no interior do estado, não tinha trabalho, a não ser na roça. José Luiz chegou à cidade grande com um sonho de moço pobre do interior.

 

Seu José: A minha vontade de vir pro Rio era pra comprar um toca-discos e uma calça jeans. Não tinha calça jeans em Miracema e não tinha dinheiro pra comprar.

 

Dirceu Martins: Aí o senhor gastou um pouco?

 

Seu José: Aqui com certeza. O primeiro e o segundo mês de salário quando eu ganhei foi justamente pra comprar o que eu tinha vontade.

 

Mas a partir do terceiro salário, o dinheiro que sobrava tinha sempre um destino certo.

 

Seu José: Então, daí pra cá já comecei a economizar.

 

Dirceu Martins: Comprou a vitrola, comprou calça jeans aí começou a economizar?

 

Seu José: Depois com um ano que eu estava aqui no Rio já comprei um carrinho pra viajar pra Miracema. Com o dinheirinho economizado.

 

Tudo bem, era um carrinho velho, mas um bom começo. Naquele  tempo seu José Luiz era motorista de caminhão em uma fábrica de bebidas. Trabalhou lá durante 25 anos. Quando se aposentou, usou toda a indenização para comprar um táxi. E continuou trabalhando muito. Praticamente morava no carro.
“Eu sempre trabalhei no taxi 16 horas por dia. É pesado. E também sempre pensando no amanhã. Tem gente que não pensa, só pensa em hoje, quer ganhar hoje e gastar hoje”, comenta o taxista.

 

Essa é a voz da experiência. Um bom conselho para quem está começando agora.

 

“O jovem tem muitos gastos que podem ser considerados gastos supérfluos, exageram as vezes nas saídas à noite, no consumo de bens duráveis como carros, celulares e esquecem da terceira idade, esquecem que vão envelhecer e que sua capacidade de trabalho vai diminuir com o tempo”, explica o economista da FGV, André Braz.

 

Parece que seu José Luiz foi um jovem que se preparou para o futuro. Por isso mesmo, há 16 anos conseguiu dar mais um passo importante, para ele e toda a família: comprou um apartamento na região central do Rio e se livrou do aluguel. As filhas reconhecem o esforço do pai, que sempre ajudou as duas: Danielle trabalha no táxi na parte da tarde. E para Isabelle, que vai casar, o paizão deu um belo presente: um apartamento.

 

“Mas eu ajudei a comprar. Uns 15%”, diz Isabelle de Almeida, estudante.

 

Dirceu Martins: E de onde saiu esse dinheiro para o apartamento dela, seu José Luiz?

 

José Luiz: Então, esse dinheiro é economizando. Muita economia, juntando dinheiro e trabalhando muito.

 

Isabelle de Almeida: O mais importante que é educação e estudo, ele sempre deu pra gente.

 

Globo Repórter: Quando que o senhor acha que é o tempo certo para começar a planejar o futuro?

 

José Luiz: Eu acho que no primeiro dia de trabalho já é a época de você começar a pensar no futuro e economizar.

 

Parece até que o taxista andou tendo aulas de economia.

 

“Ele com certeza soube aproveitar os prazeres da vida mas também soube ter responsabilidade para guardar parte de sua renda na forma de uma poupança e essa mentalidade que todos devemos ter, principalmente quando somos jovens. Então ele tem razões para sorrir”, explica André Braz.

 

Para sorrir e relaxar. Sempre que pode José Luiz vai para a cidade onde nasceu. Longe do trânsito estressante. Ele adora passear com a Dona Carminha, que também é de lá. Mas como viver apenas com a aposentadoria do INSS, na hora de largar o táxi e parar de trabalhar de vez, como ele pretende? O taxista pensou em tudo. A complementação está no pequeno prédio que ele levou 17 anos para construir: uma loja no térreo e dois apartamentos do segundo andar estão alugados. Uma renda que vem quando ele mais precisa.

 

“Isso aqui é um sonho de muito tempo, de voltar para Miracema, um sonho desde que eu fui para o Rio de Janeiro em 1970”, conta José Luiz.

 

“É corriqueiro hoje viver 90, 100 anos e isso requer muito mais planejamento para se ter uma velhice com bem estar. Então se começar a poupar cedo você vai constituir um patrimônio que vai te permitir nessa longa jornada lá na etapa final ter um nível de segurança, de conforto, que vai te dar tranquilidade para uma vida legal, para uma vida boa”, explica Eduardo Giannetti, economista.

 

Pensando no futuro seu José Luiz acabou conquistando o cenário do passado, do lugar onde ele nasceu, para onde ele sempre sonhou em voltar um dia. Hoje ele até pensa em parar de trabalhar, mas sem largar o volante. Se na cidade grande ele é taxista, em Miracema ele gosta de fazer trilha.

 

José Luiz: Aqui é diferente, eu posso ir para onde eu quiser.

 

Dirceu Martins: Carro bem diferente do taxi, hein?

 

José Luiz: Bem diferente, aqui é estrada de chão.

 

O carrinho esporte é o xodó, merecido. Comprado com o dinheiro economizado, mas para se divertir. E o que não falta em Miracema são trilhas, paisagens e principalmente recordações.

 

Seu José Luiz nasceu a uns 15 quilômetros de Miracema. O Globo Repórter visitou a sede da fazenda, onde ele, os pais e os sete irmãos trabalhavam. A casa da família ficava pertinho, mas já foi demolida.

 

Globo Repórter: O senhor trabalhava com que aqui?

 

José Luiz: Eu trabalhava com arroz, milho, feijão e também trabalhava para fazenda roçando pasto. A vida era muito difícil. Não tinha condições nenhuma praticamente. Trabalhava mesmo, não via dinheiro nunca, não tinha dinheiro.

 

As dificuldades da infância, a cidade onde nasceu – nada foi esquecido. Mas os apertos que ele passou junto com a família nunca foram motivo de amargura. Pelo contrário.

 

Globo Repórter: O senhor não tinha sapato?

 

José Luiz: Não, não tinha sapato.

 

Globo Repórter: Quando o senhor ganhou o primeiro sapato?

 

José Luiz: O primeiro sapato eu tinha 15 anos. Foi uma festa que eu fiz quando eu ganhei aquele sapato, fiquei todo feliz.

 

Globo Repórter: E roupa?

 

José Luiz: Roupa meu pai comprava para todos uma peça de roupa para fazer roupa para todos os filhos. Um pano só fazia vestido para as irmãs, camisa para os homens e o que sobrava fazia ainda lençol para cama. Então ficava da mesma cor, todo mundo com o mesmo pano.

 

Santo André, região metropolitana de São Paulo. Bem longe de Miracema, uma outra família também tem motivo de sobra para lembrar do passado e sorrir. Seu Jonas e Dona Margarida já formaram os filhos e estão com a vida encaminhada. Rodrigo é médico e Bruna, publicitária. Quanta alegria para os pais.

 

Ter a foto de um filho comemorando um diploma é motivo de orgulho para qualquer pai. No caso do economista Jonas Coaglio esse momento tem um significado ainda maior. Quando o Rodrigo estava no primeiro ano da faculdade o Seu Jonas perdeu o emprego. Foi o dinheiro que ele tinha economizado que garantiu o pagamento do curso.

 

Na época, o desemprego do Seu Jonas foi um choque para toda a família. Ele tem origem muito humilde. Começou a trabalhar ainda criança, como engraxate, e o pouco que ganhava nem ficava com ele.

 

Globo Repórter: O senhor dava o dinheiro para mãe?

 

Seu Jonas: Sim, sempre dei. Para comprar comida. O dinheiro naquela época era para comprar comida. Não era para nada mais, porque a gente não tinha outro bem em casa.

 

Globo Repórter: Doía no senhor dar o dinheiro que o Senhor ganhava como engraxate para mãe?

 

Seu Jonas: Pelo contrário. Era uma satisfação.

 

Mas o que doeu mesmo, anos mais tarde, foi a possibilidade de tirar o filho da faculdade por causa do desemprego.

 

“Nossa, nem pensar, né gente? Foi assim tão a gente ficou tão feliz porque a gente sei lá é de família simples e a gente nunca teve um médico na família, então foi um sonho talvez que a gente nem imaginava. Eu até vesti meu filho. Eu tenho uma foto aí na sala, ele de médico, pequenininho. Eu nunca imaginava que ele ia ser médico de verdade”, conta a aposentada Margarida Coaglio.

 

“Quando saiu o resultado de aprovação na verdade foi num dia de semana à noite. Quando eu peguei esse resultado eu não sabia se eu comemorava ou se eu deixava sem avisar ninguém”, lembra Rodrigo Coaglio, médico.

 

“Por quê?”, pergunta o repórter Dirceu Martins.

 

“Porque era uma faculdade paga, e a gente sabia que não seria fácil pagar essa faculdade, além do mais, ela seria fora da cidade dos meus pais que eles moravam. Mais gastos”, responde Rodrigo.

 

A salvação foram as economias que Sr. Jonas guardou, a cada mês, durante os anos em que esteve empregado. Um dinheiro suado, obtido em longas jornadas de trabalho.

 

“A gente trabalhava tem um salário fixo e tinha muitos trabalhos extras e a empresa pagava esses extras, e esses extras eram quase um outro salário, vamos dizer. E esse eu guardava. Todo mês eu ia guardando ele”, conta Sr. Jonas.

 

Hoje, a descontração nem de longe lembra os tempos difíceis enfrentados pela família. Foram cinco meses de desemprego para o economista experiente, que acabou indo trabalhar em Curitiba, bem longe de casa. Valeu a pena: dois anos depois, ele voltou, recuperou a vaga que tinha perdido em Santo André. A segunda filha também queria estudar.

 

“Eu fiquei um pouco receosa, como eu já estava começando a pensar no meu futuro, eu já iria fazer o vestibular, perguntei ao meu pai se realmente eu poderia continuar sonhando com esse meu futuro e ele me deixou calma, falou que ia dar tudo certo, que como ele conseguiu para o Rodrigo ele também ia conseguir para mim e não fugiu. Deu tudo certo, graças a Deus”, lembra a publicitária Bruna Biegas.

 

Dirceu Martins:E por que o senhor conseguiu?

 

Seu Jonas: Eu consegui porque tinha que conseguir. Tinha uma reserva e essa reserva foi direcionada para ela também. Da mesma maneira como foi para o filho, foi para ela também.

 

Dirceu Martins:Como é que é para o senhor ouvir eles falando hoje isso, Seu Jonas?

 

Seu Jonas: Eu me emociono e fico muito contente. É isso aí.

 

José Luiz: Tudo passa pelo sacrifício, mas depois vem a recompensa e aí valeu a pena. Então, o nosso futuro já chegou.

 

Dirceu Martins: Seu José Luiz isso aqui parece um paraíso, não é não?

 

José Luiz: Parece um paraíso, é um paraíso, olha a tranquilidade.

 

Globo Repórter: Qual que é o melhor lugar do mundo?

 

José Luiz: É aqui, aqui nessa área. Essa região todinha aqui. Região de Miracema, Fazenda Santa Inês. Não tem melhor, aqui que é o lugar de viver.

Categoria: Em pauta
Tags: , , ,
Comentar

CHEGAMOS À ERA DA REALIDADE AUMENTADA?

Os novos óculos da Google, que prometem uma revolução na forma de ver o mundo, conseguirão se popularizar?

Recentemente, o Google anunciou que seu laboratório de inovações, o Google X, irá lançar um par de óculos de realidade aumentada. A inovação deverá estar disponível no mercado até o fim do ano e promete ser uma espécie de “tela transparente” de computador.

 

 

Apesar do design do produto ainda não ter sido revelado, já foi divulgado que ele terá uma câmera acoplada, capaz de identificar o que você vê. Como os óculos terão uma conexão 3G ou 4G, ele terá GPS e sensores de movimento. Além disso, você verá informações sobre os lugares que você visita automaticamente diante de seus olhos. Ao passear por pontos turísticos, por exemplo, você poderá ler sobre a história do local, ou ver dicas de outras pessoas que já passaram por lá.

 

O invento do Google deverá custar entre 450 e 600 dólares, o preço aproximado de um smartphone. E de acordo com a empresa, o óculos deverá ser usado de forma ocasional e não continuamente.

 

Popularização

Não é a primeira vez que a realidade aumentada (ou a realidade virtual) ameaçam invadir a vida real. Produtos que usam esse conceito tentam conseguir um espaço no mercado desde a década de 1980, quando a RV. Research Inc. passou a vender capacetes e luvas que prometiam “transportar” o usuário para dentro de outro universo.

 

Mesmo com outras adaptações da mesma tecnologia, ela nunca se popularizou – seu uso mais freqüente é em terapias de reabilitação. Então fica a discussão: será que esse novo invento, possivelmente revolucionário, do Google vai pegar?

 

Para o futurólogo Michell Zappa, o público-alvo imediato dos óculos serão os aficionados por tecnologia, o mesmo tipo de pessoa que faz fila fora das lojas da Apple quando um novo iPhone é lançado. “Mas acredito que os óculos serão uma extensão dos aparelhos Android, e eles não tem fãs tão apaixonados”, conta.

 

Evolução e não revolução
Ainda de acordo com Zappa, a grande maioria das mudanças tecnológicas que afetaram a sociedade aconteceu em forma de evolução e não de revolução. Por exemplo, todo o meio de comunicação, em seu início, usava a linguagem da tecnologia que o antecedeu. Em seus primeiros anos, a TV tinha a programação do rádio, a web reproduzia o conteúdo de jornais e, mais recentemente, no iPad prevalecem as revistas digitais – as novas possibilidades ainda foram pouco exploradas.

 

Como tecnologia específica, é possível analisar o multi-touch. As primeiras telas sensíveis ao toque foram construídas, acredite ou não, na década de 1960 pela IBM e, desde então, apareceram em alguns computadores ou outras máquinas. Ou seja, ela não era uma novidade quando o primeiro iPhone foi lançado, em 2007. Mesmo assim, sua popularização só aconteceu aos poucos, enquanto sua interface era adaptada ao público.

 

Foi nesse processo que aconteceu uma revolução comportamental. Essa interface possibilitou o desenvolvimento dos apps que, hoje, são parte essencial dos nossos smartphones.

 

Será, então, que é este é o momento da popularização da realidade aumentada, através dos óculos do Google? “Não sei se esse lançamento vai quebrar com tantos paradigmas que existem no  mercado agora. Espero que os óculos sejam realmente úteis, mas, historicamente, vemos que o lançamento de produtos inovadores é sempre por evolução e não uma revolução”, conclui Zappa.

 

Matéria retirada na íntegra da Revista Galileu.

Categoria: Em pauta
Tags: , , , ,
1 Comentário

BOLSA POR MÉRITO ACADÊMICO PARA FABIO SILVA RAMOS

Hoje iremos conhecer um pouco sobre Fábio Silva Ramos, ele se formou no curso de Jogos Digitais e por ter sido o melhor aluno de sua turma, recebeu um bolsa para um curso de sua escolha na pós-graduação. Leia a entrevista abaixo

Fábio Silva Ramos
Jogos Digitais

Sua melhor memória da IES?

A apresentação dos trabalhos de conclusão de curso.

Para você, qual a participação do UDF na sua vida (profissional, social) daqui em diante?

Os ensinamentos, a experiência passada e os conselhos dos professores jamais serão esquecidos e, certamente, lembrarei deles na realização de trabalhos no ambiente profissional.

O UDF é sinônimo de?

Tradição.

Qual a maior qualidade do UDF?

Conseguir juntar tradição com modernidade.

Qual “cantinho” do UDF te traz boas lembranças?

A escada ao lado do laboratório nove no edifício Reitor Rezende Ribeiro de Rezende. Era lá que conversando e jogando, enquanto esperávamos a aula começar.

Qual são as expectativas para o futuro profissional?

Espero continuar aprendendo mais a cada dia, já que na área da tecnologia nunca se para de aprender. Espero me tornar um bom profissional, desenvolver minhas habilidades e quem sabe um dia, dar aula.

Um conselho para quem fica…

Comece a levar o curso a sério desde o começo. Não deixe pra aprender depois que se formar o que poderia ter aprendido em sala de aula.

Um conselho para quem já se formou…

Não desanime. Siga o caminho que você escolheu, ele tem tudo pra dar certo.

Em uma única palavra, o que o UDF significa para você?

Ponte.

Como percebe a bolsa de pós-graduação, dada pela instituição, devido ao seu desempenho como aluno?

Acho um ótimo incentivo para os estudantes e agradeço o UDF pelo reconhecimento dos esforços de seus alunos.

Categoria: Retrato
Tags: , , , , , , ,
Comentar

O CARRO DO FUTURO

Nas rodas de conversa sobre o futuro, você já deve ter ouvido falar sobre como serão os carros futurísticos. Há sempre quem diga que os veículos não usarão mais rodas, pois flutuarão rápido pelo ar, como naquele desenho, Os Jetsons, lembra? Pois o futuro está aí, moçada! Um projeto criado pela União Européia nos mostra um pouco dessa realidade que vislumbramos há anos.

A espécie de carro misturado com helicóptero pode voar abaixo de dois mil pés – cerca de 609 metros – tem lugar para dois passageiros, alguma bagagem e custou cerca de 6,2 milhões de dólares. O que não trouxe novidade foi a maneira como esses carros são abastecidos, à gasolina. Mas, segundo o grupo responsável pelo MyCopter, nome dado ao projeto, isso é provisório. A trupe pensa em como desenvolver um modelo movido apenas por energia elétrica.

Já as primeiras versões do carro são controladas por computador.

Fonte: Techtudo

Categoria: Fique de Olho
Tags: , , , , , , , ,
1 Comentário

AS DEZ PROFISSÕES DO FUTURO

Veja se o seu curso figura na lista

A partir das análises do mercado de trabalho, o governo americano periodicamente publica as profissões mais promissoras do futuro – ou seja, aquelas que vão demandar cada vez mais profissionais. Em primeiro lugar, está o profissional que souber misturar saúde com engenharia. O detalhamento da lista está neste link.

A tendência é baseada na ideia de que a mistura entre saúde e engenharia vai demandar cada vez mais profissionais para, entre muitas outras coisas, desenhar inovadoras próteses, remédios que usam chips para combater infecções e tumores, sistemas ainda mais sofisticados de imagens, testes para avaliar propensões genéticas.

Se você olhar o topo do ranking vai ver que a saúde está dispara do na frente nas áreas de mais futuro, afinal o envelhecimento da população aumenta a demanda. No ranking mai recente das dez mais promissoras, ficaram as atividades que misturam engenharia, computação, química, biologia, matemática, química e saúde.

Daí também se entende por que o ensino superior nos Estados Unidos, está focado em produzir cursos interdisciplinares. Esse foi eleito o grande foco das melhores universidades americanas para não correrem o risco de obsoletismo.

Nessa área, o Brasil tem uma razão de orgulho: o mais premiado cientista nos Estados Unidos que mistura engenharia com medicina é o neurocientista Miguel Nicolelis, formado na USP.

Publicado originalmente no Portal Aprendiz.

Categoria: Fique de Olho
Tags: , , , ,
Comentar
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.