LIVRO SOBRE JORNADAS DE JUNHO TRAZ ENTREVISTAS E ARTIGOS FEITOS NO CALOR DAS MANIFESTAÇÕES

Obra reúne representantes de diversas áreas que pensam o impacto daquele momento nos seus campos e no país

POR LEONARDO CAZES

 

RIO – Os protestos que começaram em junho de 2013 surpreenderam não só pelo tamanho das manifestações — as maiores vistas no Brasil desde a década de 1980 —, mas também pela pauta múltipla e difusa, a ocupação do espaço público por pessoas de diferentes ideologias e a organização horizontal com convocações pelas redes sociais. Surpresos e entusiasmados, os amigos Maria Borba, Natasha Felizi e João Paulo Reyes resolveram fazer um jornal com textos que ajudassem a pensar o que estava acontecendo no Brasil. Ao procurar uma editora para viabilizar a impressão, que seria distribuída durante os atos, receberam o convite para fazer um livro que reunisse artigos e entrevistas sobre o tema. Ali começava a gestação do recém-lançado “Brasil em movimento” (Rocco).

 

A obra traz uma série de reflexões feitas no calor dos acontecimentos por gente de diversas áreas, do arquiteto Paulo Mendes da Rocha ao economista Gustavo Franco, do compositor Gilberto Gil ao teórico da literatura Hans Ulrich Gumbrecht, do líder ianomâmi Davi Kopenawa ao geógrafo Jaílson de Souza e Silva, do historiador Daniel Aarão Reis ao advogado Pedro Abramovay, além de trabalhos dos artistas plásticos Tunga, Cildo Meireles, Antônio Manuel e Carmela Gross. Os escritores André Sant’Anna e Fausto Fawcett contribuíram com dois ensaios cortantes sobre o Brasil contemporâneo.

 

— Escolhemos gente que gostaríamos de ver envolvida no debate, que tivesse emoções e pensamentos sobre o que estava acontecendo para compartilhar — conta Natasha, jornalista e aluna da pós-graduação em Letras na UFRJ. — Buscamos saber para cada um as consequências que aquilo trazia no seu campo, pessoas que tinham nascido e vivido em diferentes momentos da História e visões de mundo diferentes. O objetivo foi pensar a partir das manifestações, não as manifestações em si.

 

Na obra, os textos estão datados e são apresentados em ordem cronológica. Os organizadores justificam a escolha porque as entrevistas ocorreram entre junho e dezembro de 2013, em meio a mudanças de conjuntura. Assim, os primeiros entrevistados nem tiveram a chance de falar sobre fenômenos que foram surgindo, como os black blocs. No entanto, durante a leitura, alguns dos principais temas discutidos nas ruas aparecem na fala dos convidados. Um exemplo é a relação dos protestos com a cidade para além da demanda por um transporte público de qualidade e gratuito. Arquiteta e professora da PUC-Rio, Ana Luiza Nobre faz uma análise sobre o Rio de Janeiro, cidade que passa por uma das maiores transformações da sua história e será sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

 

Para a arquiteta, “o que veio à tona (nas manifestações), no fundo, foi a própria crise da cidade, junto com a recusa a um modelo de cidade limitada a poucos, em detrimento de muitos. Por isso, se as reinvindicações se mostraram variadas, e muitas vezes difusas, a estratégia não deixou de ser fundamentalmente a mesma: ocupar (e tensionar) o espaço público — seja ele uma praça, uma rua, um túnel ou os jardins de um palácio.”

 

Abordando a questão específica da gratuidade, o engenheiro Lúcio Gregori, secretário municipal de Transporte de São Paulo entre 1990 e 1992, defende a viabilidade da bandeira do Movimento Passe Livre, embora ressalte que, para colocá-la em prática, é necessário repensar toda a organização dos sistemas de transporte nas metrópoles brasileiras. Trocaria-se o sistema de concessão, que estabelece a tarifa como garantia do equilíbrio econômico-financeiro do contrato, por outro, de fretamento de frota, onde as empresas seriam remuneradas pelo Estado de acordo com um serviço específico, sem ingerência sobre o itinerário das linhas e o valor da passagem.

 

Já Paulo Mendes da Rocha identifica nos protestos a insatisfação com o que chama de “escravatura mascarada”. “Se o operário não precisasse gastar três ou quatro horas por dia no transporte, ele teria três ou quatro horas para estar aqui, nessa roda, conversando sobre esses temas. Portanto, uma das formas mais eficientes de opressão do homem contra o homem, na minha opinião, é manter o outro constantemente aflito: como fazer com a criança, como arranjar comida para amanhã, como ir para casa e voltar etc. Manter um estado de desequilíbrio e desorganização na vida é uma forma de escravatura mascarada”, critica.

 

Gilberto Gil viu o sentimento de insatisfação generalizada que tomou conta da multidão como sinal de um cansaço civilizacional. Para o compositor, “nossa queixa não é propriamente em relação aos nossos males, é em relação a males generalizados da sociedade humana. É o cansaço desse modelo de civilização, dessa máquina mercante, como já dizia Gregório de Mattos há três séculos: ‘Ó, quão dessemelhante…’.” Maria Borba, uma das organizadoras, conta que o músico questionou a razão de se fazer um livro sobre algo tão recente.

 

— Na conversa com vários deles apareceu essa impossibilidade de se formar, naquele momento, uma análise pronta do que estava acontecendo. Gil imediatamente protestou, com razão, sobre a necessidade de se produzir um livro, algo fechado sobre um movimento que ainda estava acontecendo. Nosso intuito era o de capturar como retratos os pensamentos produzidos no calor da hora ainda sem forma definida, abertos.

 

Uma das entrevistas mais reveladoras do livro é a do coronel da PM Robson Rodrigues da Silva, ex-comandante das UPPs e hoje chefe do Estado-Maior da corporação. O coronel reclama da pressão para criação de novas unidades e da falta de um planejamento para a sua expansão. O militar, que também é antropólogo, faz uma análise crítica da formação dos policiais e de como eles próprios veem o seu papel na sociedade. Na entrevista, feita em agosto de 2013, já aparecem conceitos que norteiam a reestruturação da Polícia Militar anunciada pelo novo comandante-geral coronel Alberto Pinheiro Neto na semana passada. O principal é a adoção, em todos os batalhões, do conceito de policiamento de proximidade já utilizado nas UPPs.

 

João Paulo Reyes, que no texto de abertura do livro faz um resumo dos principais acontecimentos do período, comenta que, no início do projeto, com o passar dos meses, a atenção das pessoas em relação aos protestos foi se dispersando e nem todos viam uma relação de continuidade entre os primeiros protestos de junho e, por exemplo, as greves dos professores e dos garis que ocorreram meses depois.

 

— Há um slogan de 68 que tem muito a ver com isso: as manifestações na época eram “a estreia de uma luta prolongada”.

 

Fonte: O Globo

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , , ,
Comentar

PARA INCENTIVAR LEITURA, PROJETO TRANSFORMA TÁXIS EM BIBLIOTECAS MÓVEIS

Iniciativa permite que leitores levem livros para casa e devolvam em outros táxis cadastrados

Já imaginou se em cada táxi que você entrasse encontrasse livros para ajudar a passar o tempo desperdiçado no trânsito e ainda poder levá-los para casa e continuar a leitura? Essa é a proposta do publicitário mineiro Tallis Gomes, 27 anos, para incentivar o hábito e tornar o tempo gasto no trânsito mais produtivo para os passageiros. Criador de um aplicativo para localizar táxis, o publicitário decidiu incorporar a Bibliotaxi, uma espécie de biblioteca móvel, nos veículos cadastrados no aplicativo.

 

O taxista Diego Kaleo Santana, 33 anos, aderiu ao projeto há três meses e aprovou a iniciativa

 

Inspirado em iniciativa com os táxis da Vila Madalena, em São Paulo, Thalis abraçou a causa e decidiu levar a ideia para todo o Brasil. O projeto, que começou em janeiro de 2013, ganhou corpo com a doação de mais 80 mil livros de uma livraria no ano passado e hoje já funciona em 26 cidades.

 

A ideia é bastante simples. Uma sacola é deixada pelo taxista no banco de trás do veículo com pelo menos três livros – que podem ir de clássicos como O príncipe, de Nicolau Maquiavel, à best sellers como A culpa é das estrelas, de John Green. Então, o passageiro escolhe o título e dá início à leitura. Se ele gostar, pode levá-lo para casa. Para devolvê-lo, basta localizar um outro táxi cadastrado na Bibliotáxi e entregá-lo ao motorista. “A intenção é que os livros retornem aos veículos por meio dos passageiros e que isso continue a funcionar com a ajuda deles, que podem doar livros para o projeto”, explica a representante da Easy Taxi, Camila Ferreia.

 

Em Brasília, 60% dos taxistas que são cadastrados no aplicativo já usam a biblioteca à bordo. Na profissão há oito anos, Diego Kaleo Santana, 33, aderiu ao projeto há três meses e aprovou a iniciativa. “A maioria das pessoas gosta da ideia, mesmo ficando um pouco receosas em levar o livro. Para nós, acaba sendo um atrativo a mais”, conta. Leitor assíduo desde criança, Diego explica que, entre uma corrida e outra, não resiste ao hábito. “Quando eu leio, me coloco na figura central da pessoa e consigo encarar melhor a vida. As pessoas que leem são, com certeza, mais felizes”, relata o taxista.

 

Passageiros também aprovam a ideia da “biblioteca ambulante”. A filósofa e servidora pública Antônia Sylvhia, 52 anos, conta que se surpreendeu ao entrar em um táxi com livros. “Já vi ações na parada de ônibus, mas no táxi é a primeira vez”, disse. Para ela, toda forma de informação e incentivo a leitura é válida. Apesar da possibilidade de levar para casa, Antônia acha que os livros podiam ter textos mais curtos para dar tempo de ler no caminho.

 

A estudante do 2º ano do Ensino Médio Maria Vitória Mansur, 16 anos, também não sabia da ideia, e se surpreendeu ao se deparar pela primeira vez com o BiblioTaxi. Veja, a seguir, o que ela achou da ideia.

 

Fonte: Correiobraziliense

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , , , ,
Comentar

HAMLET – WILLIAM SHAKESPEARE

Hamlet é uma tragédia de William Shakespeare, escrita entre 1599 e 1601.

Sinopse:

 

A peça, passada na Dinamarca, reconta a história de como o Príncipe Hamlet tenta vingar a morte de seu pai Hamlet, o rei, executando seu tio Cláudio, que o envenenou e em seguida tomou o trono casando-se com a mãe de Hamlet. A peça traça um mapa do curso de vida na loucura real e na loucura fingida — do sofrimento opressivo à raiva fervorosa — e explora temas como a traição, vingança, incesto, corrupção e moralidade.

 

Autor: William Shakespeare
Edição: Vol.01
Categoria:Literatura Estrangeira, Clássicos
Formato: PDF
Linguagem: Português
Lançamento: 1603

 

Download: clique aqui

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , , ,
Comentar

DIVERGENTE VOL.1, POR VERONICA ROTH

Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível!

 

 

Livro: Divergente
Autor: Veronica Roth
Versão: Atualizada
Categoria: Romance
Formato: PDF
Lançamento: 2010
Licença: Shareware
Download: Clique aqui

 

Sinopse:

 

Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto.  A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é.  E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.

 

Fonte: PDFlivros

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , ,
Comentar

DE PERNAS PARA O AR, POR NEYDE VENEZIANO

Nestas deliciosas e divertidas páginas, em estilo leve, brincalhão e nada contraditório, Neyde faz curiosas revelações sobre o Teatro de Revista.

 

 

Livro: De Pernas Para o Ar

Autor: Neyde Veneziano

Edição: Atualizada

Categoria: Humor

Formato: PDF

Lançamento: 2014

Licença: Gratuita

Download: Disponível Aqui

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , , ,
Comentar

LIVRO DO DESASSOSSEGO, POR FERNANDO PESSOA

Valéria aparece na porta de sua casa e faz sua libido aflorar. Contratada como "diversão" para uma festa de despedida de solteiro.

Sinopse:

Valéria se vestia como uma dançarina se shows de strip-tease, mas havia inocência em seus olhos azuis. Valéria desejava o sexy e atraente Grant, que fazia seu coração disparar e seu corpo arrepiar-se. Ele, porém, era muito contido em seus sentimentos. Valéria resolveu, então, dar a Grant algumas lições memoráveis.

 

Livro: Livro do Desassossego
Autor: Fernando Pessoa
Edição: Atualizada
Categoria: Romance, Clássicos
Formato: PDF

 

Clique aqui e baixe o ebook gratuito

 

Fonte: PDFlivros

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , ,
Comentar

ADMIRÁVEL MUNDO NOVO

Ano 634 df (depois de Ford). O Estado científico totalitário zela por todos. Nascidos de proveta, os seres humanos (pré-condicionados) têm comportamentos (pré-estabelecidos) e ocupam lugares (pré-determinados) na sociedade- os alfa no topo da pirâmide, os ípsilons na base. A droga soma é universalmente distribuída em doses convenientes para os usuários. Família, monogamia, privacidade e pensamento criativo constituem crime. Os conceitos de ‘pai’ e ‘mãe’ são meramente históricos. Relacionamentos emocionais intensos ou prolongados são proibidos e considerados anormais. A promiscuidade é moralmente obrigatória e a higiene, um valor supremo. Não existe paixão nem religião. Mas Bernard Marx tem uma infelicidade doentia- acalentando um desejo não natural por solidão, não vendo mais graça nos prazeres infinitos da promiscuidade compulsória, Bernard quer se libertar. Uma visita a um dos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste, pode ser um caminho para curá-lo.

 

Especificações técnicas


Idioma: português

Encadernação: Brochura

Altura: 21 cm

Largura: 14 cm

Peso: 0,351 kg

Edição:

Ano de Lançamento: 2001

Número de páginas: 312

 

Clique aqui e leia o livro na versão digital.

 

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , , , , ,
Comentar

“A CULPA É DAS ESTRELAS”

Livro: A culpa é das estrelas

 

Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico.
Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

 

Características detalhadas

 

Acabamento: Brochura

Edição: 1 / 2012

Idioma: Português

Número de Paginas: 288

Tradutor: Renata Pettengill

 

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , , , , , ,
Comentar
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.