PALESTRA: INCENTIVO FISCAL PARA FINANCIAMENTO À PESQUISA

Como forma de orientar e estimular a busca por incentivo fiscal para financiamento de pesquisas de Iniciação Científica e Tecnológica, a Coordenação dos cursos de Tecnologia do Centro Universitário UDF, convidou o Diretor de Engenharia e Operações da Rede Nacional de Ensino e Pesquisas – RNP para palestrar sobre o assunto. O encontro apresentará as possibilidades de formulação de parcerias com a iniciativa privada, para viabilizar os projetos em andamento e também a criação de novos.

 

De acordo com o professor Jorge Luiz Santana, Coordenador dos cursos de T.I. da Instituição e responsável pela organização do evento, o objetivo é aproximar alunos com o mercado de trabalho, estimulando-os na busca de mecanismos que possibilitem o crescimento acadêmico/profissional.

 

A palestra ocorrerá no próximo dia 23 no Auditório do Ed. Sede e tem início previsto para 18h. Poderão se inscrever alunos e professores de todos os cursos que participaram da reunião referente ao Projeto de Iniciação Científica, realizada no dia 22 de março.

 

Acadêmicos poderão fazer a inscrição para o evento através da Área do Aluno. Já os professores poderão se inscrever clicando aqui.

 

Categoria: UDF pra você
Tags: , , , , , , ,
Comentar

CIENTISTAS DESCOBREM GENE QUE PODE FAVORECER OBESIDADE

Cientistas da Universidade de Toronto identificaram um “gene da gordura”, o que pode tornar possível a criação de medicamentos contra a obesidade. A proteína, chamada IRX3, regula o metabolismo e o gasto de energia e ps pesquisadores descobriram, em testes feitos em camundongos, que a deficiência da proteína está ligada a organismos 30% mais magros, em média. As informações são do Daily Mail.

 

Quando alimentados com dieta rica em gordura, ratos deficientes em IRX3 mantiveram o mesmo peso e níveis de gordura de quando alimentados com dieta equilibrada. Eles ainda se mostraram mais capazes de processar a glicose e podem ser mais resistente a diabetes. Já o grupo de animais em que a proteína estava presente chegou a quase o dobro do peso.

 

Segundo os pesquisadores, a proteína IRX3 interage com outro gene conhecido como FTO, há tempos relacionado ao excesso de peso. Os cientistas acreditam na relação entre a proteína e o gene em humanos, ratos e peixes e sugeriram uma ligação evolutiva entre diferentes espécies. “Nossos dados sugerem fortemente que IRX3 controla a massa corporal e regula a composição corporal”, disse o professor Marcelo Nóbrega, da Universidade de Chicago.

 

Ao analisarem dados de 153 amostras do cérebro de europeus, os pesquisadores descobriram que as mutações de FTO que afetam o peso corporal estão associadas à proteína. A disfunção da IRX3 também mostrou, de acordo com os estudos, uma alteração no hipotálamo – parte do cérebro conhecida por regular o comportamento relacionado à alimentação e ao gasto de energia.

 

Fonte: Terra

 

 

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , , , , , , ,
Comentar

98% DOS BRASILEIROS ESTÃO CANSADOS, DIZ IBOPE; SEDENTARISMO É PRINCIPAL CAUSA

Melhora da condição física implica em criar uma rotina de atividades físicas que não esgotem o organismo; varrer a casa e subir escada estão entre os itens válidos

Pesquisa do Ibope mostra que quase 100% dos brasileiros se dizem cansados, sendo que 61% se consideram muito cansados. Culpa-se a correria do dia a dia e o pouco tempo para descansar, mas, segundo a doutora Gerseli Angeli, coordenadora científica do Centro de Estudos em Medicina da Atividade Física e do Esporte (CEMAFE), grande parte dessa situação é causada pelo sedentarismo.

 

 

A lógica é a seguinte: quanto menos atividade física se faz, mais cansado se fica. É um círculo vicioso: quando alguém faz exercícios físicos, o corpo libera o lactato (ácido láctico) que deixa a pessoa um pouco dolorida. O corpo interpreta a dor como uma agressão e reage com uma falta de ânimo. Se a pessoa não perseverar na atividade física, a tendência é que o corpo a convença a se abrigar no conforto que a vida moderna traz, que provoca o sedentarismo e faz com que o organismo “reclame” a cada mínima atividade física, reiniciando o ciclo da falta de ânimo. Isso gera um cansaço cada vez maior, e que não é recuperado com descanso.

 

A solução para melhorar o quadro é fazer pouco e sempre, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o que soma uma queima de 2200 calorias por semana. “E esse número não precisa ser exatamente em exercícios físicos, mas sim em pequenas atividades, como varrer uma casa, subir uma escada, estacionar o carro um pouco mais longe e ir caminhando até o destino”, explica Gerseli.

 

Veja algumas atividades do dia a dia que podem queimar calorias e ajudar a fugir do sedentarismo:

 

  • Escada: Substitua o elevador pela escada. Já é um passo em direção contrária ao sedentarismo
  • Teve uma pausa no trabalho? Não traga um café para a mesa. Saia com ele por uns 10 minutos para fazer uma caminhada.
  • Caminhe: reserve alguns minutinhos para fazer uma caminhada pela rua, ou até mesmo dentro da empresa. Desça dois andares e depois suba de escada.
  • Não delegue mais atividades, procure fazer algum tipo de exercício dentro de casa, como uma faxina.
  • Quando for fazer pequenas compras, que tal deixar o carro em casa e ir de bicicleta?
  • Ao invés de deixar o carro no lava-rápido, que tal lavar o carro em casa mesmo? Algumas calorias certamente irão embora e você fará atividade física.
  • Seja diferente da maioria: prefira escadas fixas às rolantes. Uma pequena atitude já contribui para fugir do sedentarismo.
  • Estacione o carro um pouco mais distante do local em que você precisa descer. Com isso, você fará uma caminhada a mais.
  • Deixe a secadora descansar alguns dias, estenda a roupa no varal. Pequenas atitudes já entram como atividade física do dia a dia.
  • Passeie com seu cão e, quando ele quiser correr, tente acompanhá-lo por alguns minutos.
Categoria: Acontece
Tags: , , , , ,
Comentar

CAFÉ PODE MELHORAR A CAPACIDADE DA MEMÓRIA, SUGERE PESQUISA

Um estudo americano sugere que o café, além de servir como estimulante, ajuda a melhorar a memória. O estudo, publicado na revista especializada Nature Neuroscience, testou a memória de 160 pessoas durante 24 horas. Os pesquisadores observaram que pessoas que tomaram comprimidos de cafeína tiveram um desempenho melhor em testes de memória do que as que ingeriram placebos.

 

 

O estudo, da Universidade Johns Hopkins, envolveu pessoas que não bebiam ou consumiam produtos com cafeína regularmente. Os pesquisadores recolheram amostras de saliva dos voluntários para verificar os níveis de cafeína e os submeteram a um teste em que tiveram que olhar para uma série de imagens. Cinco minutos depois, parte deles recebeu um comprimido de 200 miligramas de cafeína, o equivalente à cafeína presente em uma xícara grande de café segundo os pesquisadores, ou então um placebo.

 

Os cientistas então recolheram outra amostra de saliva 24 horas depois. No dia seguinte, os dois grupos foram avaliados para ver a capacidade de reconhecer as imagens vistas no dia anterior. Os voluntários foram expostos a uma mistura de algumas das imagens vistas no primeiro dia com algumas imagens novas e também algumas imagens sutilmente diferentes.

 

Ser capaz de diferenciar entre os itens semelhantes, mas não idênticos, é chamado de padrão de separação e indica um nível mais profundo de retenção na memória. Entre os voluntários que consumiram cafeína, o número de pessoas capazes de identificar corretamente imagens “semelhantes” era maior que o que repondia – de forma errada – que eram as mesmas imagens.

 

“Se tivéssemos usado uma tarefa padrão de reconhecimento pela memória, sem estes itens semelhantes e enganadores, não teríamos descoberto o efeito da cafeína”, disse Michael Yassa, que liderou o estudo. “Mas, estes itens exigem que o cérebro faça uma discriminação mais difícil, o que chamamos de padrão de separação, que parece ser o processo que é melhorado pela cafeína em nosso caso”, acrescentou.

 

O período de apenas 24 horas pode parecer curto, mas não é este o caso para os estudos sobre a memória. A maior parte do esquecimento ocorre nas primeiras horas depois que a pessoa aprende algo.

 

Poucos efeitos
A equipe agora quer analisar o que acontece no hipocampo, o “centro de memória” do cérebro, para compreender o efeito da cafeína. Apesar dos resultados promissores, Michael Yassa afirmou que as pessoas não devem beber muito café ou tomar comprimidos de cafeína.

 

“Tudo com moderação. Nosso estudo sugere que 200 miligramas de café beneficiam aqueles não ingerem cafeína regularmente”, disse Yassa. O cientista afirmou que pode haver um outro tipo de resposta o que “sugere que doses mais altas (de cafeína) podem não ser tão benéficas”.

 

“Tenha em mente que, se você é um consumidor regular de cafeína, esta quantidade pode mudar”, acrescentou. “E, claro, é preciso lembrar dos riscos para a saúde. Cafeína pode ter efeitos colaterais como nervosismo e ansiedade em algumas pessoas. Os benefícios precisam ser medidos em comparação com os riscos.”

 

Para Anders Sandberg, do Instituto Futuro da Humanidade da Universidade de Oxford, o estudo demonstrou que tomar cafeína logo depois de ver as imagens “melhora o reconhecimento delas 24 horas depois, dando apoio à ideia de que ajuda o cérebro a consolidar o aprendizado”.

 

“Mas, não houve melhora direta na memória de reconhecimento graças à cafeína. Ao invés disso, o efeito foi uma pequena melhora na habilidade de distinguir entre as novas imagens que pareciam com as antigas das que eram realmente as antigas.” Para Sandberg, a cafeína pode ajudar uma pessoa a prestar mais atenção, mas a melhor forma de consolidar o aprendizado é dormir, o que pode ser um problema com o consumo de café.

 

Íntegra: Terra

Categoria: Acontece
Tags: , , , , ,
Comentar

BRASILEIRO NASCE COM EXPECTATIVA DE VIDA DE 74,6 ANOS, APONTA IBGE

Taxa registrada em 2012 teve pequeno aumento em relação a 2011. Em 2012, mortalidade infantil (até 1 ano) ficou em 15,69 para mil nascidos.

Números divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta segunda-feira (2) no Diário Oficial da União mostram que, em 2012, a expectativa de vida ao nascer no Brasil passou para 74,6 anos.

 

A taxa apresenta um pequeno aumento em relação a 2011, quando a esperança de vida do brasileiro era de 74,1 anos. Mas, se comparada há dez anos, a expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de três anos. Em 2002, era de 71 anos.

 

Em 2012, a taxa de mortalidade infantil (de crianças com até um ano) ficou em 15,69 mortes para cada mil nascidos vivos – contra 16,13 em 2011. Já a taxa de mortalidade para crianças que têm de um até dois anos caiu para 0,98 para cada mil. Em 2011, era de 1,04.

 

As Tábuas Completas de Mortalidade para o Brasil são divulgadas todo ano pelo IBGE e são usadas pelo Ministério da Previdência para calcular aposentadorias. Os dados também permitem calcular a vida média para cada idade.

 

Em 2012, segundo o IBGE, uma pessoa de 30 anos teria, em média, mais 47,4 anos de vida, enquanto uma de 40 anos viveria, em média, mais 38,3 anos. Já uma pessoa com 50 anos teria, em média, mais 29,6 anos de vida.

 

Íntegra G1

Categoria: Em pauta
Tags: , , , ,
Comentar

CIENTISTAS IDENTIFICAM MECANISMO PARA REGENERAR CÉLULAS NERVOSAS

No sistema periférico, regeneração é natural; no central, pode ser induzida. Descoberta pode ajudar a melhorar os tratamentos de lesões em nervos.

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA,  identificaram uma reação em cadeia que provoca a regeneração de ramos danificados de células nervosas. A descoberta pode ajudar a melhorar os tratamentos de lesões em nervos, que causam a perda de sensibilidade ou paralisia.

 

Seção fina de nervo e músculo (Foto: Courtesy of Nikon Small World/ Dr. David Ward, dgward.com)

 

Segundo divulgado, a chave para o processo de regeneração de nervos é a proteína HDAC5. No sistema nervoso periférico, quando uma célula é danificada, sua regeneração é natural.

 

A primeira reação ao dano é uma onda de cálcio que viaja pelo axônio, ramos de células nervosas responsáveis pelo envio de mensagens, para o corpo da célula. Além disso, a HDAC5 é liberada do núcleo da célula e ativa genes envolvidos no processo de regeneração. A proteína também viaja para o local do dano, para ajudar na criação de microtubos que servem de suporte para a célula.

 

Esse mecanismo foi descoberto em pesquisa de laboratório em que os cientistas cortaram axônios de células danificadas. Eles também experimentaram mudar o gene da HDAC5 para mantê-la “aprisionada” ao núcleo dos nervos periféricos. Assim os axônios não foram regenerados.

 

No entanto, no sistema nervoso central, composto pelo cérebro e a medula central, esse processo não ocorre. Neste sistema, a HDAC5 nunca sai do núcleo das células danificadas. Os pesquisadores acreditam que essa é uma das razões mais importantes de por que o sistema central não regenera axônios por conta própria.

 

Agora os pesquisadores trabalham em formas de manipular o sistema central para ajudar as células a regenerar ramos perdidos. Em culturas de células e em animais foi possível estimular a regeneração de axônios com dosagens de fármacos que facilitam a saída da HDAC5 do núcleo celular.

 

Valeria Cavalli, professora de neurobiologia e coautora do estudo, também trabalha em parceria com outros pesquisadores da Divisão de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva da universidade, para investigar se a proteína HDAC5 ou outros componentes da reação em cadeia podem ser usados para ajudar a restaurar a função sensorial em enxertos de nervos.

 

Fonte: G1 (Íntegra)

Categoria: Em pauta
Tags: , , ,
Comentar

IBGE LANÇA PUBLICAÇÃO COM DADOS E ANÁLISES SOBRE O BRASIL

Rio de Janeiro – Os problemas que o país enfrenta nas áreas de educação, saúde e infraestrutura são apontados no livro Brasil em Números 2013: Dados e Análise sobre o País, lançado nesta quinta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no Museu de Arte Moderna de Salvador, na Bahia. São 23 temas analisados a partir dos dados mais recentes disponíveis, com reflexões atuais feitas por professores de diversas instituições do país. A publicação bilíngue é anual e também traz dados que corroboram a consolidação do país como nova potência econômica e ajudam a compreender a sua nova posição no cenário internacional.

 

 

O gerente de Relações Institucionais do IBGE, David Montero, explica que os avanços podem ser percebidos em todos os capítulos, mas nas análises relativas aparecem gargalos a ser superados. “A gente tem problemas na parte de educação, na qual os índices de graduandos e de matrículas precisam acompanhar o desenvolvimento econômico e crescimento da população, a situação de transportes, a energia, a parte de infraestrutura e a parte de saúde. Tudo isso tem que ser visto de forma integrada para que a população possa realmente gozar das evoluções que tem sido conquistadas no campo econômico”.

 

Na educação, a análise aponta que diminuiu o analfabetismo e cresceu a média de anos de estudo, mas a qualificação não acompanha a demanda tecnológica e é preciso fortalecer a permanência na escola.Quanto a saúde, permanece a ineficiência do Sistema Único de Saúde e (SUS) e ainda registram muitos casos de malária, febre amarela e, principalmente, de dengue.

 

Na infraestrutura, apesar de o Brasil ter capacidade instalada de 86 gigabyte (GB) de eletricidade e produzir 2 milhões de barris de petróleo por dia, segundo dados de 2011, a oferta per capta é baixa. Além disso, a demanda por energia cresceu 2,2% de 2010 para 2011, enquanto a oferta subiu 1,3%.

 

No transporte, matriz tanto de carga como de passageiros é considerada inadequada para os padrões de países desenvolvidos, que usam mais o modal ferroviário. De acordo com o estudo, 37% da malha rodoviária são consideradas de boa ou ótima e a frota de automóveis cresceu de 29,5 milhões, em 2000, para 76,14 milhões, em 2012.

 

A novidade deste ano foi a inclusão do tema meio ambiente, em que foram analisados a concentração média anual de partículas sólidas na atmosfera, com redução significativa em São Paulo e no Rio de Janeiro. Apesar de não trazer dados novos, David Montero ressaltou que a publicação é importante para informar qual é a situação brasileira no momento e acompanhar a reflexão que está sendo oferecida por cada especialista, em uma forma do IBGE devolver para a sociedade o resultado dos dados de pesquisas conjunturais e estruturais.

 

“O principal diferencial da obra é que, com a contribuição desses professores, a população, os leitores, vão ter a oportunidade de fazer uma reflexão sobre o tema e pensar, até mesmo para um futuro, como é que vai ser, como vai acontecer, como o Brasil vai se comportar em cada uma dessas áreas de conhecimento”, disse.

 

Todos os livros da série Brasil em Números, publicada desde 1992, estão disponíveis no site.

 

Edição: Aécio Amado

 

  • Direitos autorais: Creative Commons – CC BY 3.0

 

Fonte: EBC ( Íntegra)

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , ,
Comentar

QUEDAS SÃO A MAIOR AMEAÇA PARA CELULARES, APONTA PESQUISA

Chance de aparelho sofrer dano é 58% maior do que roubou ou perda. Brasileiros quebraram 113 milhões de unidades em 2012.

Os donos dos celulares são a maior ameaça aos aparelhos. A pesquisa “Principais Causas das Mortalidades de Celulares” apontou que a chance de um celular sofrer algum dano é 58% maior do que a de ele ser roubado ou perdido.

A causa mais apontada pelas quebras foram as quedas: para 78,4% dos donos, os aparelhos abandonaram suas mãos e encontraram o chão.

Como os usuários poderiam assinalar mais de uma causa mortis, outros 38% confessaram terem derrubado o celular do colo.

saiba mais

O levantamento, elaborado pela Pitzi, ouviu 1.001 donos de aparelhos telefônicos móveis.

Segundo a empresa, em 2012, os brasileiros quebraram 113 milhões de celulares, pouco mais que o dobro das unidades vendidas no ano, conforme a IDC.

Quebrou, tá novo
Quando o aparelho é danificado, a primeira atitude das pessoas é evitar assistências técnicas: dos entrevistados, 78% disseram isso. A maioria (89%) simplesmente não consertou o celular. Parte continuou a utilizar o celular quebrado, parte rezou para que voltassem a funcionar.

Já aqueles que recorreram às assistências técnicas gastaram menos de R$ 250 e esperaram até sete dias.

Apesar de recorrerem menos às assistências técnicas, as mulheres estão mais dispostas a gastar com assistência. Enquanto o gasto dos homens não ultrapassou os R$ 449, o delas superou os R$ 700.

 

 

Fonte: G1 Íntegra

 

Categoria: Acontece
Tags: , , , , ,
Comentar
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.