DESEMPREGO TEM A MENOR TAXA PARA OUTUBRO DESDE 2002, DIZ IBGE

Taxa ficou em 4,7%, depois de atingir 4,9% no mês anterior. População desocupada somou 1,1 milhão de pessoas.

A taxa de desemprego ficou em 4,7% em outubro no conjunto das seis regiões metropolitanas, depois de atingir 4,9% no mês anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa é a menor taxa para o mês de outubro desde o inicio da série, em março de 2002.

 

“É [um resultado] estável na comparação mensal. Frente a setembro, não houve variação estatisticamente significativa, porém, na comparação com outubro do ano passado houve queda de meio ponto percentual. Houve de fato aumento de população ocupada na comparação mensal”, disse Adriana Araújo Beringuy, técnica da coordenação de rendimento e trabalho do IBGE.

 

A quantidade de pessoas desocupadas somou 1,1 milhão, mostrando estabilidade em relação a setembro e queda de 10,1% frente ao mesmo período de 2013. Já a população ocupada chegou a 23,3 milhões, indicando uma ligeria alta de 0,8% na comparação mensal e uma estabilidade diante de outubro de 2013. A população não economicamente ativa foi estimada em 19 milhões. Em relação a setembro, houve estabilidade e, frente a outubro de 2013, cresceu 3,3%.

 

“Estou querendo frisar que mesmo com aumento da ocupação – que é uma coisa que a gente não estava vendo nos últimos meses – a taxa está estável no mês. Ao contrário do que ocorre no ano, que a taxa cai. E essa taxa cai em função da redução da desocupação. Então, a queda da desocupação contribuiu mais para a redução da taxa nessa comparação anual do que o crescimento da ocupação no mês não movimentando a taxa de maneira estatisticamente significativa”, afirmou a técnica de coordenação do IBGE.

 

No setor privado, o número de trabalhadores com carteira assinada  bateu 11,7 milhões, sem variação significativa nas duas comparações.

 

“De modo geral, ao longo desse ano de 2014, o comportamento, o indicador da ocupação tem se mantido estável, não tem apresentado resultados importantes, estatisticamente significativos ao longo do ano de 2014. É um dos indicadores que mais têm apontadado estabilidade. Especificamente agora em outubro, houve variação positiva de 0,8 nesse indicador de ocupação”, afirmou Adriana.

 

Salários

 

O salário médio dos ocupados subiu 2,3% em relação a setembro e bateu R$ 2.122,10. Na comparação com outubro de 2013, subiu ainda mais, 4,0%.

 

Entre as capitais pesquisadas pelo IBGE, Salvador foi a única que mostrou queda no desemprego – a taxa passou de 10,3% para 8,5%. Nas outras regiões, não variou. Já na comparação com o mesmo período do ano passado, a taxa subiu em Porto Alegre (de 3,0% para 4,6%) e diminuiu em São Paulo (de 5,6% para 4,4%). As outras capitais não mostraram variação.

 

“A queda em Salvador foi em virtude de redução de população desocupada de 40 mil pessoas. Parte dessa desocupação de Salvador, parte dela migrou para inatividade e parte migrou para a ocupação. Basicamente 50% para cada lado”, explicou Adriana.

 

Nível de ocupação

 

A proporção de pessoas ocupadas em relação às pessoas em idade ativa, chamado de nível de ocupação, ficou em 53,6%. Aumentou em relação a setembro, quando atingiu 53,2% e diminuiu diante de outubro de 2013, quando a taxa chegou a 54,2%.

 

“O ano [2014] tem sido de manutenção, sem grandes perdas ou acréscimos”, disse Adriana. De acordo com a técnica, a média de janeiro a outubro da população ocupada registrou 23.044. Em 2013, o mesmo período tinha 23.077. “Ou seja, estabilidade. E em termos de geração de vagas, sem variações importantes”. A população desocupada, no entanto, tem apresentado movimentação importante de redução no ano de 2014, conforme afirmou.

 

Sazonalidade

 

O aumento da população ocupada não pode ser diretamente associado ao aumento das vagas de trabalho que ocorre no fim de ano: “Não sei se seria pertinente associar a essa questão da sazonalidade. No caso do comércio por exemplo, isso não estaria acontecendo. E na indústria, são 0,7%, ela não está dispensando como ocorreu em outros meses, pode ser que seja um processo de interrupção na indústria. Tem a construção com 55 mil vagas, então, de fato ficou muito difuso, então, vendo pela questão sazonal, não seria o caso.”

 

Caged

 

O Brasil fechou 30.283 empregos com carteira assinada em outubro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados no útlimo dia 14 pelo Ministério do Trabalho.

 

Trata-se do pior resultado para meses de outubro, pelo menos, desde 1999. Também é a primeira vez que houve fechamento de vagas para meses de outubro nos últimos 15 anos. Em outubro de 2013, foram abertas 94.893 vagas formais, de acordo com dados oficiais.

 

No mês passado, as admissões somaram 1.718.373, enquanto os desligamentos ficaram em 1.748.656. Foi o pior desempenho em admissões para meses de outubro desde 1999.

 

Segundo o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, o resultado negativo foi influenciado, principalmente, pela perda na construção civil (-33.556), agricultura (-19.624) e indústria de transformação (-11.849). Por outro lado, ele destacou avanços no comércio (+32.771), serviços (+2.433) e administração pública (+184).

 

Fonte: G1

Categoria: Em pauta
Tags: , , ,
Comentar

CONSCIÊNCIA PODE PERMANECER POR ATÉ TRÊS MINUTOS APÓS A MORTE, DIZ ESTUDO

Cientistas entrevistaram pacientes que chegaram a ter morte clínica, mas voltaram à vida

RIO – Aquele túnel com uma luz brilhante no fundo e uma sensação de paz descritos por filmes e outras pessoas que alegaram ter passado por experiência de quase morte podem ser reais. No maior estudo já feito sobre o tema, cientistas da Universidade de Southampton disseram ter comprovado que a consciência humana permanece por ao menos três minutos após o óbito biológico. Durante esse meio tempo, pacientes conseguiriam testemunhar e lembrar depois de eventos como a saída do corpo e os movimentos ao redor do quarto do hospital.

 

Cena da novela “Amor Eterno Amor” da Rede Globo retrata a experiência de quase morte estudadas pelos cientistas da Universidade de Southampton – Reprodução

 

Ao longo de quatro anos, os especialistas examinaram mais de duas mil pessoas que sofreram paradas cardíacas em 15 hospitais no Reino Unido, Estados Unidos e Áustria. Cerca de 16% sobreviveram. E destes, mais de 40% descreveram algum tipo de “consciência” durante o tempo em que eles estavam clinicamente mortos, antes de seus corações voltarem a bater.

 

O caso mais emblemático foi de um homem ainda lembrou ter deixado seu corpo totalmente e assistindo sua reanimação do canto da sala. Apesar de ser inconsciente e “morto” por três minutos, o paciente narrou com detalhes as ações da equipe de enfermagem e descreveu o som das máquinas.

 

- Sabemos que o cérebro não pode funcionar quando o coração parou de bater. Mas neste caso, a percepção consciente parece ter continuado por até três minutos no período em que o coração não estava batendo, mesmo que o cérebro normalmente encerre as atividades dentro de 20 a 30 segundos após o coração – explicou ao jornal inglês The Telegraph o pesquisador Sam Parnia.

 

Dos 2.060 pacientes com parada cardíaca estudados, 330 sobreviveram e 140 disseram ter experimentado algum tipo de consciência ao ser ressuscitado. Embora muitos não se lembrassem de detalhes específicos, alguns relatos coincidiram. Um em cada cinco disseram que tinha sentido uma sensação incomum de tranquilidade, enquanto quase um terço disse que o tempo tinha se abrandado ou se acelerado.

 

Alguns lembraram de ter visto uma luz brilhante, um flash de ouro ou o sol brilhando. Outros relataram sentimentos de medo, afogamento ou sendo arrastado pelas águas profundas. Cerca de 13% disseram que se sentiam separados de seus corpos.

 

De acordo com Parnia, muito mais pessoas podem ter experiências quando estão perto da morte, mas as drogas ou sedativos utilizados no processo de ressuscitação podem afetar a memória:

 

- As estimativas sugerem que milhões de pessoas tiveram experiências vivas em relação à morte. Muitas assumiram que eram alucinações ou ilusões, mas os relatos parecem corresponder a eventos reais. E uma proporção maior de pessoas pode ter experiências vivas de morte, mas não se lembrarem delas devido aos efeitos da lesão cerebral ou sedativos em circuitos de memória.

 

Fonte: O GLobo

Categoria: Acontece
Tags: , , , , ,
Comentar

PROFESSOR PUBLICA ESTUDO EM RENOMADA REVISTA INTERNACIONAL

Um estudo feito pelo professor Bernardo Petriz, do curso de Educação Física do UDF, foi publicado recentemente pela prestigiada revista científica BMC Genomics. O artigo faz parte da tese de doutorado do professor e contou com a participação do também professor da Instituição, Jeeser Alves.

 

“O artigo cientifico apresenta uma grande relevância por ser um dos primeiros a mostrar que o exercício modifica o conjunto de bacterias que temos em nosso organismo (Microbiota intestinal), além de ser o primeiro a mostrar isso em modelo animal obeso e hipertenso”, explica Petriz.

 

Leia abaixo um resumo do estudo feito pelo professor:

 

Exercitando nossas bactérias

 

As bactérias estão por toda parte e, no nosso intestino, alcançam a casa de trilhões e trilhões. Elas podem afetar nosso peso corporal, a digestão de alimentos e participar da susceptibilidade ou resistência a certas doenças. Vários fatores, como remédios, doenças, estresse e, principalmente, a alimentação podem alterar a microbiota, como é chamado o conjunto de microrganismos no nosso corpo. Essas modificações ocorrem ao longo de toda nossa vida, desde o nascimento, tendo a microbiota um papel fundamental no desenvolvimento e na função do sistema imunológico. Além disso, sabe-se que a microbiota intestinal desempenha papel importante na quebra e estocagem de substratos energéticos, influenciando, assim, nosso metabolismo.

 

Curiosamente, alguns estudos recentes realizados em ratos e também em humanos saudáveis mostraram que a prática de exercício físico também pode modificar a composição da microbiota no intestino. Como o exercício tem papel essencial na regulação metabólica e no gasto energético, ele pode modular a interação entre corpo e bactérias, alterando o metabolismo de modo positivo. Mas ainda desconhecemos tais relações, especialmente em indivíduos patológicos (ex. obesidade, diabetes, hipertensão, etc).

 

Portanto, nosso grupo de pesquisa propôs um estudo para examinar os efeitos do exercício aeróbio em intensidade moderada no status da microbiota intestinal em ratos obesos, hipertensos e saudáveis. Os resultados antes do treinamento (corrida em esteira) apontam para um perfil bacteriano semelhante entre ratos normais e hipertensos, que difere significativamente dos animais obesos. Seis espécies de bactérias eram mais abundantes em ratos obesos que em ratos hipertensos ou saudáveis. Uma das espécies, Bacterioides acidifaciens, pode estar relacionada com a inflamação que ocorre decorrente da obesidade. Em outras palavras, podemos sugerir que indivíduos obesos possuem uma microbiota bem diferente de não obesos.

 

Após quatro semanas de exercício em esteira, ocorreram mudanças na composição e diversidade de espécies bacterianas em todos os animais: obesos, hipertensos e saudáveis. Enquanto certas bactérias diminuíram depois do exercício, outras aumentaram. Também correlacionamos a abundância de bactérias com a concentração de lactato no sangue, um indicador de performance utilizado no campo da fisiologia do exercício. Após o treinamento, a concentração de lactato sanguíneo diminuiu em todos os animais (pelo teste de máxima fase estável do lactato – MFEL), o que indicou uma melhora da capacidade aeróbia. Uma maior abundância de bactérias de duas famílias estava relacionada com um menor acúmulo de lactato no sangue. Portanto, o exercício foi eficaz em promover melhora na capacidade aeróbia e favoreceu a proliferação dessas bactérias.

 

Nossos resultados são bastante animadores e, apesar de estarmos no início dos estudos sobre microbiota e exercício, pudemos confirmar que o exercício é capaz de alterar as comunidades de bactérias intestinais. Isso demonstra o potencial efeito do exercício no tratamento e até prevenção de certas patologias, bem como uma direção para a descoberta de novos alvos de tratamento usando a microbiota.

 

Saiba mais sobre o estudo em www.cienciaparasaude.com.br

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , , , ,
Comentar

A CIÊNCIA DO EXERCÍCIO: DA PERFORMANCE À SAÚDE

Por: Grupo Ciência para Saúde

 

A Ciência do Exercício é uma disciplina criada há poucas décadas que tenta entender porque e como a prática de exercício afeta nosso corpo e nos faz bem. Ela estuda a anatomia, a fisiologia e o movimento humano, os ossos, os músculos e outros tecidos para também melhorar a performance de um atleta e saber como prevenir lesões. Essa ciência tem se voltado cada vez mais para os campos da saúde, fitness, medicina e reabilitação e ainda procura entender como a nutrição afeta o corpo e o desempenho.

 

Mais recentemente, a Ciência do Exercício também entrou na era do genoma passando a integrar uma abordagem molecular junto à fisiologia do exercício. Desde o Projeto Genoma Humano, que sequenciou o DNA da nossa espécie, tem havido vários avanços nessa área, revolucionando o modo de entender processos biológicos e fisiológicos. Descobrimos regiões de DNA com variações e genes que estão relacionados com a aptidão física. Um exemplo é o gene GDF8 (ou MSTN), que produz a proteína chamada miostatina. A miostatina controla o tamanho dos músculos. Quanto mais miostatina, menos massa muscular e, quanto menos miostatina, mais massa muscular. Se a pessoa não possuir o gene GDF8 ou se o gene for defeituoso e produzir pouca miostatina funcional, o músculo continua crescendo. Esse fenômeno foi observado pela primeira vez no gado belga-azul, também conhecido como super gado. Ele desenvolve de duas a três vezes mais massa muscular que o gado normal. Há relatos de casos semelhantes em cachorros, camundongos e até bebês. Em humanos, esses indivíduos podem possuir até duas vezes mais massa muscular que o normal. Vários fisioculturistas produzem pouca quantidade de miostatina ou nem têm o gene.

 

Outro exemplo de como a genômica e a biologia molecular podem contribuir para entendermos sobre aptidões para certos exercícios é o gene ATCN3. Esse gene produz uma proteína que é expressa em fibras musculares rápidas. O músculo é composto por fibras musculares e há, basicamente, dois tipos dessas fibras: lentas e rápidas. As fibras lentas são resistentes ao cansaço e especializadas para uma atividade contínua, como maratonas. As fibras rápidas são pouco resistentes ao cansaço e contraem rapidamente. São úteis para levantadores de peso e corredores de curta distância, que precisam de uma “explosão de energia”. Cada pessoa expressa os tipos de fibras musculares de forma um pouco diferente: algumas têm mais fibras rápidas, outras têm mais fibras lentas. Quem tem uma variação do gene ATCN3 que é capaz de produzir uma proteína mais ativa, é mais apto para provas de curta distância ou duração.

 

Mas não se enganem, os genes sozinhos não determinam o sucesso de um atleta, até porque o meio ambiente pode alterar a expressão dos genes. Além do treinamento e disciplina, outras influências são importantes, como família, sociedade, atitudes culturais e históricas. O conhecimento molecular sobre o corpo e o exercício pode ser aplicado para desenvolver marcadores medidos com uma única gota de sangue que ajudarão a orientar melhor o treinamento, potencializando a capacidade de cada um. Além da utilização no exercício, é possível que tais conhecimentos sejam aplicados para a população de modo geral, inclusive para tratamento de doenças. O gene GDF8, que regula a massa muscular, por exemplo, representa um ponto de partida importante para desenvolver remédios que bloqueiam a miostatina e que poderão ser usados para tratar distrofia muscular e outras condições que levam à perda de músculo, dificultando a locomoção.

 

A utilização da Ciência do Exercício junto a modernas técnicas de análise molecular se tornou uma abordagem imprescindível para melhor compreendermos como o exercício físico pode atuar na prevenção e no tratamento de inúmeras doenças crônicodegenerativas de grande prevalência e incidência mundial, como a obesidade, o diabetes tipo II e as doenças cardiometabólicas. Pesquisas nessa área são norteadas pelos fortes indícios do papel do exercício físico na manutenção e na preservação da saúde, sendo também considerado um agente não farmacológico no tratamento de inúmeras doenças. Por fim, cabe ressaltar que a utilização do exercício físico como agente terapêutico tem outro ponto extremamente relevante: sua prática rotineira não requer necessariamente algum gasto financeiro, uma situação completamente oposta aos elevados gastos com saúde pública em decorrência do tratamento da obesidade, do diabetes tipo II e da hipertensão.

 

Nesse sentido, a popularização da Ciência do Exercício com pesquisas no campo da Genética e da Biologia Molecular se consolidam cada vez mais, como aconteceu naturalmente com a Fisiologia do Exercício clássica. Atualmente, um dos grandes desafios da área é a popularização destas técnicas modernas, antes apenas restritas às Ciências Biológicas. Assim, se torna mais importante que os profissionais da área da saúde tenham uma boa base fisiológica e estejam atualizados e familiarizados com estas novas ferramentas, levando a um conhecimento mais profundo e prático do papel do exercício para a saúde.

 

Os Autores

 

Grupo Ciência para Saúde é formado pelos pesquisadores e acadêmicos; Clarissa Gomes, Bernardo Petriz e Jeeser Almeida. O grupo tem como objetivo disseminar de forma clara e objetiva a Ciência da Saúde e seus princípios voltados para a prevenção e o tratamento de doenças crônico-degenerativas.

 

Currículo dos autores

 

Clarissa Pedrosa da Costa Gomes: Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Genômicas e Biotecnologia da Universidade Católica de Brasília. Realizou o estágio doutoral Institute for Systems Biology (Seattle, EUA). Tem experiência na área de Biologia Molecular e Bioquímica, com ênfase em Biotecnologia, atuando principalmente nos seguintes temas: biologia molecular, epigenética e exercício. http://lattes.cnpq.br/9081772163696021

 

Bernardo Petriz: Doutorando pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Genômicas e Biotecnologia da Universidade Católica de Brasília, com estágio doutoral no Structural Genomics Consortium na University of Oxford UK (2012-2013). Atuando na área de proteômica, transcriptômica e bioquímica do músculo cardíaco e esquelético, e microbiota intestinal, com ênfase nos efeitos do exercício físico agudo e crônico sobre a obesidade e hipertensão. http://lattes.cnpq.br/3343118797634636

 

Jeeser Alvez de Almeida: Doutor em Educação Física (2014) pela Universidade Católica de Brasília, atualmente realiza estágio pós-doutoral na Universidade de Brasília – UnB. Estuda o campo da fisiologia do exercício clínico nas respostas morfofuncionais frente ao exercício físico. Possui experiência em modelo animal e estudos com populações especiais (Obesidade, Diabetes e Hipertensão).  http://lattes.cnpq.br/2013004154780922

Categoria: Retrato, UDF pra você
Tags: , , , , ,
Comentar

PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

A Pró-Reitoria Acadêmica do Centro Universitário UDF, no uso de suas atribuições regimentais, torna pública a prorrogação das Inscrições no Processo Seletivo para Bolsa de Iniciação Científica e Iniciação Tecnológica – PIBIC/PIBITI do Edital 04/2014 do UDF. Informamos que as inscrições deverão ser realizadas no site www.sistemaic.udf.edu.br até o dia 03 de Junho de 2014.

 

 

 

Clique aqui e saiba mais sobre o Programa.

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , ,
Comentar

PESQUISA FEITA POR PROFESSOR DO UDF PODE AUXILIAR NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS

A tese de doutorado realizada pelo Professor Dr. Jeeser Alves, do curso de Educação Física do Centro Universitário UDF, pode auxiliar na prevenção de doenças causadas por hipertensão arterial e obesidade. Uma parte inicial dos resultados obtidos por ele foram publicados na revista International Journal of Sports Medicine, uma das mais conceituadas na área de Medicina Esportiva.

 

O estudo foi publicado pela revista utilizando resultados iniciais da tese de Doutorado do professor. “Trata-se de testes realizados em ratos obesos de forma a observar a capacidade aeróbia dos mesmos. Desta forma, podem-se verificar os benefícios da realização destas atividades na prevenção de doenças”, explica o professor.

 

Através da pesquisa, será possível, então, detectar os agentes de saúde resultantes da prática de exercícios físicos. “Hoje em dia todo mundo recomenda a prática de atividades físicas como uma forma de prevenção de doenças, porém, mais da metade da população brasileira não pratica por não ter noção real dos benefícios”, justifica.

 

A pesquisa


Foi verificado o efeito do exercício em intensidade moderada em ratos obesos equiparando-se a uma pessoa praticante de atividades físicas na mesma intensidade, isto é, 5 vezes por semana durante 30 minutos.

 

Ao final do treinamento, os animais apresentaram melhora de 20% na capacidade aeróbia, mesmo não apresentando sinais de emagrecimento quando comparado ao controle. Curiosamente, mesmo não apresentando redução de peso, os animais exercitados ganharam menos peso comparados àqueles que não se exercitaram.

 

Com isto, o estudo concluiu que a prática do exercício, mesmo que em períodos curtos, podem ser benéficos embora não apresentem reduções em peso corporal em períodos iniciais de prática de atividade. Desta forma, embora resultados estéticos possam não aparecer de maneira imediata com a prática do exercício físico, é relatado que em apenas uma sessão de exercício o indivíduo perceba melhoras fisiológicas. Este estudo foi um pontapé inicial para os próximos experimentos que estão em fase final pelo nosso grupo de pesquisa, no qual envolve também outros professores do UDF. Este artigo demonstra uma intensidade segura de exercício que é capaz de promover importantes mudanças no perfil aeróbio.

 

Categoria: UDF pra você
Tags: , , , , , , , , , ,
Comentar

PALESTRA: INCENTIVO FISCAL PARA FINANCIAMENTO À PESQUISA

Como forma de orientar e estimular a busca por incentivo fiscal para financiamento de pesquisas de Iniciação Científica e Tecnológica, a Coordenação dos cursos de Tecnologia do Centro Universitário UDF, convidou o Diretor de Engenharia e Operações da Rede Nacional de Ensino e Pesquisas – RNP para palestrar sobre o assunto. O encontro apresentará as possibilidades de formulação de parcerias com a iniciativa privada, para viabilizar os projetos em andamento e também a criação de novos.

 

De acordo com o professor Jorge Luiz Santana, Coordenador dos cursos de T.I. da Instituição e responsável pela organização do evento, o objetivo é aproximar alunos com o mercado de trabalho, estimulando-os na busca de mecanismos que possibilitem o crescimento acadêmico/profissional.

 

A palestra ocorrerá no próximo dia 23 no Auditório do Ed. Sede e tem início previsto para 18h. Poderão se inscrever alunos e professores de todos os cursos que participaram da reunião referente ao Projeto de Iniciação Científica, realizada no dia 22 de março.

 

Acadêmicos poderão fazer a inscrição para o evento através da Área do Aluno. Já os professores poderão se inscrever clicando aqui.

 

Categoria: UDF pra você
Tags: , , , , , , ,
Comentar

CIENTISTAS DESCOBREM GENE QUE PODE FAVORECER OBESIDADE

Cientistas da Universidade de Toronto identificaram um “gene da gordura”, o que pode tornar possível a criação de medicamentos contra a obesidade. A proteína, chamada IRX3, regula o metabolismo e o gasto de energia e ps pesquisadores descobriram, em testes feitos em camundongos, que a deficiência da proteína está ligada a organismos 30% mais magros, em média. As informações são do Daily Mail.

 

Quando alimentados com dieta rica em gordura, ratos deficientes em IRX3 mantiveram o mesmo peso e níveis de gordura de quando alimentados com dieta equilibrada. Eles ainda se mostraram mais capazes de processar a glicose e podem ser mais resistente a diabetes. Já o grupo de animais em que a proteína estava presente chegou a quase o dobro do peso.

 

Segundo os pesquisadores, a proteína IRX3 interage com outro gene conhecido como FTO, há tempos relacionado ao excesso de peso. Os cientistas acreditam na relação entre a proteína e o gene em humanos, ratos e peixes e sugeriram uma ligação evolutiva entre diferentes espécies. “Nossos dados sugerem fortemente que IRX3 controla a massa corporal e regula a composição corporal”, disse o professor Marcelo Nóbrega, da Universidade de Chicago.

 

Ao analisarem dados de 153 amostras do cérebro de europeus, os pesquisadores descobriram que as mutações de FTO que afetam o peso corporal estão associadas à proteína. A disfunção da IRX3 também mostrou, de acordo com os estudos, uma alteração no hipotálamo – parte do cérebro conhecida por regular o comportamento relacionado à alimentação e ao gasto de energia.

 

Fonte: Terra

 

 

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , , , , , , ,
Comentar
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.