HOJE É O DIA DA PIZZA

A data é comemorada desde 1985

Hum… Já da até pra sentir o cheirinho no ar. Pizza salgada ou doce, independente do sabor ela já pertence ao cardápio dos brasilienses. E que tal comemorar esse dia, pedindo a sua pizza predileta? Os sabores mais tradicionais são margherita, mussarella, portuguesa, calabresa, pepperoni, quatro queijos ou frango. Mas não é regra. Hoje em dia cada pizzaria criou seu próprio estilo, com várias opções de recheio, tamanhos e preços. A data foi criada pelo então secretário de Turismo de São Paulo, Caio Luís de Carvalho, em um evento que premiou as melhores receitas de pizza de mussarela e margherita da cidade. O sucesso foi tanto que o secretário decretou a data de encerramento como o dia oficial da Pizza.

 

 

Bom apetite!

 

Fonte: Spresso SP

Categoria: Acontece
Tags: , , , , ,
Comentar

PIZZA SAUDÁVEL

Menos sal e mais vitaminas

Pizza saudável, essa é boa. Quem nunca sentiu culpa por ter comido pizza e saído da dieta que atire a primeira pedra. Esse sentimento ruim pode ter os dias contados.

 

A nutricionista Mike Lean, da Universidade de Glasgow, em parceria com o empresário Donald Maclean, criaram a pizza legal. Além de ser mais saudável, a pizza tem menos sal, menos calorias e 30% das vitaminas e minerais necessários em um dia.  O ingrediente usado para fazer a massa são algas marinhas, que tem o nível de sódio de cerca de 3,5% comparado aos 40% do sal”, além de ter vitamina B12 e um excelente sabor, acrescenta o Donald.

 

Para aumentar a presença de vitamina C , é usado tomate e pimentão vermelho, e além desses nutrientes, cada pizza é enriquecida com magnésio, potássio, ácido fólico e vitamina A.

 

As pizzas serão vendidas apenas congeladas para conservarem melhor os nutrientes. Os criadores agora lutam para tornar o preço da pizza mais acessível. A triste notícia é que não tem previsão para chegar ao Brasil. Então, enquanto ela não chega por aqui, vamos de pizza à “brasileira” mesmo, mas sempre de maneira moderada – para não se arrepender dos quilinhos extras depois.

 

Fonte: Só notícia boa

Categoria: Acontece
Tags: , , , ,
Comentar

CPI DAS PIZZAS?

O aluno do sexto semestre de Ciência Política, Enrico Monteiro Ribeiro, apresenta o artigo “CPI das pizzas”. O estudante esclarece pontos do famoso bordão utilizado na política das CPIs: “Acabar em pizza”.

 

Para todos os outros que tiverem interesse em participar, e ter seu material publicado em nosso Blog, enviem-nos um email com seus dados e artigo em anexo. Participe!

 

CPI das Pizzas?

 

Nos últimos dias a mídia deu grande destaque à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga as relações do contraventor Carlinhos Cachoeira com políticos e empresários de vários ramos. Mas, na verdade, o que mais se tem ouvido é que essa CPI, assim como outras, acabará em pizza. Será que é verdade? O que é acabar em pizza?

 

Na política há diversos fatores que influenciam a conduta do parlamentar, como a ética moral. A quebra desses preceitos deveria, em alguns casos, dar em cadeia. Contudo, será que somente existe essa penalidade? A visão normativa que o único instrumento de penalidade de um parlamentar, assim como de qualquer cidadão, seria as sanções previstas no nosso ordenamento jurídico é, de certa maneira, incompleta e perigosa. Por mais que o primeiro instinto seja apenas olhar para as nossas leis e suas aplicações, a política se molda em diversos outros fatores que o Direito não é capaz de explicar.

 

Se analisarmos a última grande CPI, a do Mensalão, onde se fala que acabou em uma grande pizza veremos que isso não é totalmente verídico. Por mais que ainda não se tenha condenado nenhum suspeito, não se pode falar em pizza. Vale ressaltar que a CPI tem como única finalidade investigar (afinal é uma Comissão Parlamentar de Inquérito), e não julgar e condenar quem quer que seja. Esse é o papel do nosso judiciário.

 

Vamos à CPI do Mensalão. Na ocasião, diversos parlamentares foram denunciados por fazerem parte de um esquema de propina e caixa 2 para as suas campanhas. O caso foi tão grandioso que até mesmo o Presidente da República chegou a ter seu nome envolvido e sua reputação abalada. Mesmo não tendo ninguém condenado, José Dirceu, um dos principais políticos com projeção nacional, que era o candidato natural a suceder o então presidente Lula, nome forte dentro do seu partido, hoje está “politicamente morto”. O que na política significaria dizer, que dificilmente ele conseguiria se eleger para algum cargo eletivo. Isso para qualquer político é maior que qualquer sanção judicial, já que o maior princípio da política é como diria Maquiavel, a conquista e a manutenção do poder.

 

Na mesma ocasião, diversos outros políticos de renome, presidentes de partidos importantes e grandes, figuras imponentes e de grande prestígio tiveram o mesmo destino, a cova política.

 

Hoje, nos deparamos com a nova CPI e já se espera a nova pizza. Mas será?

 

Um dos senadores mais importantes do Senado Federal, um dos parlamentares mais influentes do Congresso Nacional, o chamado “paladino da moralidade” e cogitado para concorrer a Presidência da República, esse mesmo homem, hoje se vê deparado com sua imagem abalada, sua influência baixa e com altíssimas chances de perder seu mandato. Ele está fadado à cova da política, e se ver jogado ao ostracismo político, sem chances de reaver qualquer cargo eletivo e manter o seu poder e influência. Por mais que haja, e deva haver caso culpado, sanções judiciais contra ele, sua maior sanção é não ter mais perspectivas de se manter na política.

 

Vale lembrar que esta CPI não investiga somente o senador, provavelmente apenas mais um no esquema, mas também diversos empresários, políticos e empresas de grande porte. Com o avançar das investigações, diversos outros atores políticos, como os governadores dos estados, poderão perder seu prestígio, influência e até poder, tendo mesmo fim do senador.

 

Isso valeria pensar: será que pizza só significa sanção judicial? Será que pizza só significaria julgar e condenar alguém porque a mídia o coloca como culpado, mesmo antes de um julgamento justo?

 

Não é dessa forma que a política se faz e se molda, e nem deveria. A política se faz em um jogo onde qualquer movimento errado te tira, definitivamente, da partida. Essa, sem sobra de dúvidas, é a principal sanção que um jogador poderia sofrer.

 

Enrico Monteiro Ribeiro

6º semestre – Ciência Política

UDF Centro Universitário

Categoria: Retrato
Tags: , , , , , , , , ,
14 Comentários
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.