Não dê risada!

Postado por

Regina Tavares

Mais posts
em 11/out/2011 - 6 Comentários

Em conversa com amigos na semana passada, uma constatação consensual: ser politicamente correto nos dias de hoje é muito complicado. A afirmação em tom de crítica partiu de dois publicitários após a intervenção do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, o Conar, em recentes campanhas publicitárias. Para listar algumas polêmicas está: a dos Pôneis Malditos da Nissan e sua atitude considerada ofensiva aos animais; a da comemoração dos 150 anos da Caixa Econômica Federal que optou por um ator branco na interpretação do célebre imortal e negro Machado de Assis; e, por fim, a da Hope Ensina, acusada de tratamento machista.

Esta última campanha traz Gisele Bündchen como garota propaganda e tem como mote ensinar as mulheres a lidar com situações de crise no casamento. Em uma dessas situações, Gisele aparece plenamente vestida, o que é considerado errado para a campanha quando se pretende dar notícias do tipo: “Amor, bati o seu carro”, “Mamãe vai morar com a gente”, ou ainda, “Amor, estourei o limite do cartão de crédito. Ah… O seu e o meu”. Para a Hope, o correto é dar notícias como essas usando apenas lingerie, afinal a mulher deve abusar do seu poder de sedução.

Alguns julgam a campanha como sexista e truculenta e ainda a acusam de reiterar a figura de uma mulher financeiramente dependente do marido e desprovida de argumentos plausíveis, alternativos ao jogo de sedução. Outros defendem a campanha em repúdio à hipocrisia de parte dos brasileiros ao se queixar de mulheres seminuas na publicidade, enquanto o carnaval as exibe nuas em pêlo. Definitivamente, o tema divide opiniões e aquece o debate sobre liberdade de expressão e o controverso termo Politicamente Correto.

Talvez devêssemos buscar a origem da expressão Politicamente Correto para buscar pistas sobre o impasse acima. O termo apareceu pela primeira vez na China dos anos 30 em razão dos preceitos políticos adotados por Mao Tsé-Tung, mas obteve o significado que conhecemos hoje na década de 60 nos Estados Unidos. Nesse período, espaços como o da Universidade, passaram a exibir a diversidade de seu tempo: inúmeras etnias, pluralidade de gêneros e classes sociais opostas. Para peritos no assunto, era preciso ensinar as pessoas a conviver com as diferenças.

Nos anos 90, diante do declínio do socialismo, a preocupação dos movimentos sociais foi ampliada e diferenças pessoais entraram em pauta. Daí, obesidade se tornou sobrepeso; deficiência física, necessidade especial e velhice, melhor idade.

Gente que vive de humor como Rafinha Bastos do programa CQC (Band) passa ao largo da palavra limite e acaba amargando o insucesso de suas piadas consideradas de mau gosto. Sua agressividade parece ter se transformado em arma contra a onda politicamente correta das últimas décadas, o que definitivamente não resolve o problema e, muito menos, faz rir. A gota d’água foi ter feito piada com a cantora Wanessa Camargo que está grávida. “Eu comeria ela e o bebê”, afirmou Rafinha. Coincidência ou não. Medida corretiva ou não. Rafinha Bastos não faz mais parte do programa, desde o dia 3/10 (segunda-feira).

Esta parece uma daquelas discussões bizantinas sobre o que vem primeiro: o ovo ou a galinha? É fundamental pensarmos sobre a linha tênue que divide o politicamente correto da hipocrisia, do cerceamento da liberdade de expressão e, inclusive, do humor. Qual a sua opinião sobre o assunto?

Inté!

MÃES GOSTOSAS

Postado por

Regina Tavares

Mais posts
em 05/jul/2011 - 14 Comentários

Estava assistindo a um programa de TV quando um amigo deixou escapar: “Puxa, que mãe gostosa”. Aquilo soou como blasfêmia e as mulheres presentes no recinto logo disseram um uníssono: “Ai, que horror!”

A musa elogiada era mais uma dessas mães perfeitas, protagonizando uma campanha publicitária de loja de departamentos. Em plena forma aos 20 anos de idade, se engana quem pensa que a maternidade não lhe chegou em boa hora, seus gestos e expressões revelam uma mulher madura e senhora de seus atos.

A “mãe da vez” estava linda como nunca e impressionava pela serenidade com que conduzia seu cotidiano atribulado. Habilidosa, carregava seu filho de lá para cá, sem amarrotar o blazer de executiva. Sim, ela também é bem sucedida! Você deve estar se perguntando: E o pai? O comercial de TV não deixa nem sinais de sua existência.

Sem pudores, a publicidade nos coloca diante de um espelho imperfeito para um confronto revelador, estamos abdicando das delícias e das mazelas da velhice para vivermos eternamente jovens.  Enquanto na década de 30, estrelas hollywoodianas não permaneciam no status de “mocinhas” após os 40 anos; hoje, cirurgias, maquiagens, super-alimentos, massagens e sei lá mais o quê nos fazem rejuvenescer a cada dia que passa.

Há tempos encontramos nossa fonte da juventude nos avanços da tecnologia e da ciência. De fato, a juventude experimenta seu apelo mais intenso na sociedade contemporânea e, de certa forma, orienta a publicidade na associação da juventude à noção de belo.

Toda essa história me fez lembrar uma “pérola” dita por uma amiga. Para ela, quando se chega aos 40, mãe ou não, é questão de honra ficar um ano mais velha em relação ao ano passado e um ano mais nova em relação ao próximo ano. “É matemática, simples assim”, protestaria em uma roda de amigos.

Inté!

9º Encontro de Comunicação da Universidade Cruzeiro do Sul

Postado por

Universidade Cruzeiro do SulSeja Bem-vindo ao Blog da Extensão da Cruzeiro do Sul.

Mais posts
em 16/mai/2011 - Sem Comentários

No período de 16 a 20 de maio, será realizado, nos campi Anália Franco e São Miguel, o 9º Encom – Encontro de Comunicação.

O evento terá como público-alvo alunos e egressos dos o cursos de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas e Rádio, TV e Internet. A participação valerá como atividade complementar.

Na programação, estão previstas palestras ministradas por renomados profissionais que, na ocasião, abordarão temas relacionados à área.

Confira aqui a programação

Durante o 9º Encom, os alunos do 5º semestre de Publicidade e Propaganda promoverão, no campus Anália Franco, a exposição “O mundo da mídia”.

A mostra retrata, em painéis, as principais funções, atuações e atribuições dos departamentos de mídias de renomadas agências de publicidades do País como: Almap, África, DM9, Young & Rubicam, NBS, DPZ, Talent, W/McCANN, Fischer, entre outras.

Orientada pelo Prof. Joubert Brito, a exposição surgiu a partir de visitas técnicas realizadas pelos alunos, na disciplina de Estratégias de Mídia

Visite “O mundo da mídia”
Local: hall de entrada do auditório FHC – campus Anália Franco

ASSINE O FEED RSS

Acompanhe nosso blog pelo feed

O BLOG

O objetivo central do veículo é estimular o senso crítico e o poder de reflexão de seus leitores sobre temas que transitam entre conhecimentos científico e de caráter geral.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

TAGS