ROMANCE DE REGINALDO PUJOL FILHO TRAZ REFERÊNCIAS ÁCIDAS AO MERCADO EDITORIAL

Com estilo próprio e bom humor, escritor reflete sobre a relação entre ficção e realidade

RIO – Reginaldo Pujol Filho e Edmundo Dornelles não são a mesma pessoa. Sim, os dois são escritores. Sim, os dois vivem em Porto Alegre. No entanto, as semelhanças entre o autor do romance “Só faltou o título” (Editora Record) e o protagonista da história terminam por aí. No livro, fruto do mestrado de Pujol Filho em Escrita Criativa, concluído no ano passado na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), a realidade entra para potencializar a ficção. Uma série de escritores, editores e grupos editoriais reais são criticados por Edmundo, um amante de Dostoiévski e Balzac que ganha a vida como revisor de obras que detesta. Amargurado, preso num casamento infeliz e cobrado pela família por não arrumar um emprego, o escritor tem a certeza de que só os seus romances não publicados podem salvar a literatura brasileira contemporânea.

 

Desiludido sobre a capacidade da ficção de convencer as pessoas sobre as tramas que conta, Edmundo levará sua frustração a uma atitude radical — o ponto de virada do livro, que será lançado nesta quarta-feira, às 19h, na Livraria da Travessa de Botafogo, em um debate com o escritor Sérgio Rodrigues. Para Pujol Filho, colocar nomes reais no romance era uma exigência do próprio projeto, cujo embrião surgiu em 2006, não um desejo de acertar as contas com o mercado editorial ou algo do tipo.

 

Mas, afinal, ele temia que as diversas referências a editoras e autores poderiam causar problemas? O escritor garante que não pensou nisso quando estava escrevendo, mas ficou preocupado ao revisar a obra. A preocupação acabou se revelando infundada. Edmundo já trabalharia no Grupo Editorial Record antes mesmo de o editor Carlos Andreazza decidir lançar o livro. Aliás, o próprio Andreazza só não aparece no romance porque ainda não trabalhava na Record no período em que se passa a história.

 

— Para tomar a atitude que ele toma no livro, um ato extremo, o Edmundo precisava estar muito mal. Ele quer chegar no mercado, mas se sente impedido. É revisor de um grande grupo editorial (a Record, citada no livro), mas ouve de uma assistente editoral que suas obras não têm verossimilhança — conta o escritor gaúcho, em entrevista num café de Ipanema. — No começo, não me preocupei com isso, saí disparando geral porque o projeto pedia isso. O que o Edmundo faz é inserir ficção na realidade. Por isso, coloquei muita realidade no livro, para que o gesto dele de ficcionalizar a vida ficasse ainda mais forte.

 

ENTRE VERDADE E INVENÇÃO

O livro joga o tempo todo com as noções de verdade e invenção. Edmundo, por exemplo, revisa e detona de Cristovão Tezza a Meg Cabot. Mas, como diz o aviso antes do início do romance, “os personagens e os fatos dessa obra são reais apenas no universo da ficção (como pode ser lido na folha de créditos de romances da Companhia das Letras)”. Contudo, o protagonista irascível também reflete em boa medida o tempo em que vivemos, aponta o escritor.

 

— Vivemos um momento muito egoísta, de pouca capacidade empática. Só se vê dois lados das coisas. As pessoas se comportam como se tudo fosse contra elas. O Edmundo sai estereotipando e batendo em todo mundo, não quer tomar o lugar do outro, como se apenas o pensamento dele tivesse algum sentido. O Edmundo pode ser lido um pouco como um cara do nosso tempo.

 

Pujol Filho explica que quando começou a escrever a história, em 2013, acompanhou os debates sobre autoficção desencadeados pelo romance “Divórcio” (Alfaguara), de Ricardo Lísias. Ele chegou a fazer um levantamento dos prêmios literários e descobriu que, de 2006 a 2013, entre os três primeiros colocados sempre havia um livro enquadrado como “autoficção”. Para ele, entretanto, a busca pelo que é real no romance acaba empobrecendo a própria leitura.

 

— No caso do “Divórcio”, muito se falou no que era verdade ou não, mas o que me interessou foi a forma do romance. Nessa pequena ilha literária, que pensa que é o mundo, vi muita gente fazendo esse tipo de crítica ingênua sobre o livro — diz o autor. — Nós vivemos hoje no espetáculo do hiper-real, nessa busca incessante pelo princípio de realidade das coisas. É a década dos reality shows, dos filmes baseados em fatos reais. Comecei a observar essa indústria do real, que, na verdade, é um real encenado.

 

INFLUÊNCIA DA PUBLICIDADE

Dono de uma dicção particular e bem-humorada, o escritor gaúcho trabalhou como redator publicitário dos 19 aos 31 anos. Seus dois primeiros livros de contos, publicados pela Não Editora, foram escritos quando ainda dividia sua rotina com a agência. Há quatro anos, entretanto, pediu demissão e foi morar um ano em Lisboa, onde fez uma pós-graduação em Artes da Escrita e foi aluno de Gonçalo M. Tavares e Mário de Carvalho, entre outros. Ainda continuou fazendo alguns trabalhos como freelancer, mas desde fevereiro está totalmente afastado da publicidade. Pujol Filho vê influências do antigo trabalho na sua prosa.

 

— Uma coisa que eu já inseria na publicidade e também faço na minha escrita é emular diferentes vozes. Escrevi muitos spots para rádio parodiando linguagens. Inclusive, não era dos redatores mais premiados exatamente por buscar mais a experimentação — afirma. — Não quero apagar isso, é algo que faz parte da minha formação.

 

O autor, que agora cursa o doutorado em Escrita Criativa, já tem esboçado um novo romance. O ponto de partida são os textos de apoio de exposições de arte contemporânea. Uma boa fonte para exercitar seus talentos para a paródia (presentes também em “Só faltou o título”). Pujol Filho conta que lhe atraiu nesse assunto a conjugação necessária entre texto e imagem, entre repertório e capacidade de fruição.

 

— De certa forma, na arte contemporânea, acontece o inverso do romance, onde você primeiro lê o livro e depois pensa no autor. Já na produção contemporânea você precisa chegar com repertório. Parece que as obras precisam desses textos de apoio. O projeto é construir a ficção a partir disso.

 

Fonte: O Globo

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , , ,
Comentar

ROMANCE ‘CONTAR TUDO’, DO PERUANO JEREMÍAS GAMBOA CHEGA AO BRASIL

Com referências à música e intrigantes cenas de sexo, obra conta a história de um jornalista que decide largar tudo e viver de literatura

RIO — O romance tem mais de 500 páginas e um título auspicioso: “Contar tudo”. Elogiado pelo Nobel Mario Vargas Llosa e recebido por críticos literários latino-americanos como uma revelación, é o primeiro livro publicado no Brasil do jornalista e escritor peruano Jeremías Gamboa, de 40 anos. E o que um autor praticamente estreante tem tanto a contar? A própria vida, mas aqui confundida com a história de Gabriel Lisboa: um jovem estudante de Jornalismo da periferia de Lima que conta moedas para pagar a passagem, ouve Lou Reed e Caetano Veloso e lê livros o dia todo, tem certa dificuldade com os amores, mora de favor na casa de um tio e faz estágio em uma revista política semanal. E que um dia, tornado jornalista experiente, decide largar tudo e viver de literatura — tal qual Gamboa, que abandonou as redações (hoje colabora semanalmente com uma coluna de literatura para o “El Comercio”) para escrever o livro e dar oficinas de escrita no Peru. Ao tentar responder a si mesmo como faria isso — viver de literatura nos dias de hoje — o autor encontrou o título e o cerne do romance, uma bravata existencial em direção às palavras.

 

Muitos primeiros romances falam sobre a própria vida do escritor. É mais fácil escrever sobre o que se conhece?

 

É mais fácil, sim, mas a parte inventada aparece imediatamente. Desde o primeiro parágrafo, que escrevi saindo de um banho nos Estados Unidos, comecei a mentir, porque o meu protagonista faz o mesmo mas em um quarto em Santa Anita, na periferia de Lima. Escrever ficção é viver pelos pés de alguém. Gabriel Lisboa não sou eu, mas é um garoto feito de mim: dos meus medos, meus assuntos, meus desejos, meus sonhos.

 

É um romance caudaloso. Isso foi um problema durante a escrita?

 

É um problema editorial, pelo qual eu temia. Não queria que a extensão complicasse sua publicação e depois sua tradução: as cerca de 200 mil palavras encareceriam o custo de edição, a quantidade de papel, o custo das traduções. Neste sentido foi um problema. Mas no sentido literário, não. Gosto muito das novelas longas, e é de se agradecer que um escritor tenha uma história extensa e o tom preciso para narrá-la: é como sustentar uma relação amorosa duradoura e plena de bem-estar. Eu comecei a “contar tudo” pela metade, a partir do momento da renúncia, mas constantemente fazia flashbacks para contar o início da vida do personagem como jornalista. Então descobri que era uma novela de iniciação, que devia ser mais linear. Às vezes, quando escrevia, eu tinha receios pelo tamanho da história porque não há como se ter muito controle sobre a totalidade. E porque quando uma cena não saía sentia que todo o livro estava em risco. É como navegar um transatlântico.

 

Por que o livro se tornou um best-seller no Peru?

 

Foi impressionante. Hoje acho que foi uma empatia muito grande dos leitores com o protagonista: um garoto que representa uma maneira de ser de muitos peruanos, um adolescente mestiço e sem oportunidades que se lança a um lugar no mundo da mesma forma que muitos filhos de migrantes peruanos em Lima, transformando-se, e à cidade, definitivamente.

 

Em que momento de “Contar tudo” você notou que tinha uma linguagem própria?

 

Desde o início eu intuí. Sem essa certeza seria difícil abandonar o que estava fazendo para escrevê-lo. Custou muito encontrar uma voz própria, sobretudo pelo tratamento que daria à pobreza, que é uma característica dos meus personagens. Quando encontrei uma maneira digna de representá-los, achei algo parecido com a minha voz nos contos do livro “Punto de fuga” (primeiro livro de Gamboa, a coletânea de contos “Pontos de fuga”, em tradução livre, deve ser publicada ainda este ano pela Alfaguara). Foi precisamente este processo lento e doloroso do encontro de uma voz própria que quis representar no romance.

 

Há muita música no romance. Lou Reed é quase um personagem.

 

Escrevo com música. Deve ser por isso. Jamais soube escrever em silêncio. No momento de escrever este livro ouvi muita música, e fui incorporando as canções e discos desde o primeiro parágrafo. De fato a música é um gatilho da escrita. Gosto muito das ficções de Hanif Kureishi, Nick Hornby, e do chileno Alberto Fuguet, que incorporam muita música pop à trama. Eu me formei com música e por isso Gabriel também. Algumas das melhores lições que recebi sobre criação vêm da música, por isso homenageei Lou Reed, que me ensinou um sentido de escritura e liberdade, e Caetano Veloso, que foi meu grande guru na maneira de encarar meu ser mestiço.

 

É um romance sobre a escrita. As cenas de sexo do tímido Gabriel foram as mais difíceis, como costumam afirmar muitos escritores?

 

São difíceis como qualquer outra. Quando me aproximava delas, e sabia que entraria nelas, temia não conseguir escrevê-las e recorrer às elipses. Ao final acredito que tenham dado certo, graças à poesia de Jorge Eduardo Eielson, por exemplo, que li bastante durante a escrita. Quando li elogios a essas cenas de cama me senti seguro, empoderado como escritor. O sexo é um momento esplêndido para conhecer as pessoas e também para apresentar a essência dos personagens.

 

Fonte: O Globo

Categoria: Literatura e Filmes
Tags: , , , , ,
Comentar
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.