VEJA 9 HÁBITOS ANTES DE DORMIR QUE PODEM MUDAR A VIDA

Mais do que a boa qualidade do sono, as decisões que você toma antes de se deitar têm tudo a ver com outros aspectos da sua vida: saúde bucal, cardíaca e da pele; os seus níveis de estresse e até mesmo a forma como sua rotina se desenha.

 

O site FitSugar reuniu 9 dicas para quem busca mais qualidade de vida. Confira a seguir.

 

1. Escolha a dedo sua leitura
Que tal um destes títulos de autoajuda antes de dormir? Se você escolher algo muito excitante, como uma ficção ou um romance cercado de mistérios, provavelmente não conseguirá se desligar e pegar no sono tão cedo.

 

2. Higiene dental
Passar o fio dental e escovar os dentes antes de dormir são hábitos que causam grande impacto a sua saúde como um todo. Gengivas doentes podem acarretar condições sérias, como doenças cardíacas e respiratórias. Você também pode perder os dentes, com a idade, se não apostar nestes hábitos desde cedo.

 

3. Esteja pronto para o dia seguinte
Prepare suas coisas no dia anterior – seu lanche, suas roupas. Assim, você não começa o dia já lutando com tantos afazeres.

 

4. Alongue-se
Alongar-se é um excelente hábito diário, e não só traz benefícios para suas articulações e flexibilidade, mas também pode fazer com que você tenha uma melhor noite de sono.

 

5. Vá para a cama 15 minutos mais cedo
Esta é uma dica simples: vá para a cama 15 minutos antes do que se propôs. As pessoas não estão conseguindo dormir o suficiente, e a privação pode trazer efeitos sérios para a saúde e a produtividade. Indo para a cama mais cedo, você pode mudar hábitos que vem cultivando faz tempo, como procrastinar a hora de dormir.

 

6. Retentor dentário
Se você usa algum tipo de retentor dentário por orientação do seu ortodontista, não esqueça de colocá-lo antes de dormir. Evite jogar fora o dinheiro gasto no tratamento.

 

7. Remova sua maquiagem
Você pode estar muito cansada para isso, mas é preciso colocar o hábito em prática pelo bem da saúde da sua pele. Deixar a make atravessar a noite pode entupir os poros e impedir que o soro natural produzido pela pele não funcione adequadamente. Além disso, ir para a cama maquiada significa que os radicais livres do meio ambiente continuam por lá, e isso pode levar um colapso do colágeno e resultar em linhas finas.

 

8. Anote as coisas pelas quais você é grato
Anote em um caderno, toda noite, de uma a três coisas pelas quais você é grato. Isso irá o ajudar a pensar positivamente. A gratidão é conhecida como uma ferramenta poderosa, que pode ajudar você a apreciar mais as coisas. É muito fácil focar na parte negativa do dia e esquecer o que vivemos de positivo. Mantendo a atenção nas coisas boas, você muda a forma como sua mente funciona.

 

9. Medite

A meditação ajuda a diminuir os níveis de estresse e traz paz para a mente. Ela pode ajudar você com relação aos impulsos e reações aos eventos estressantes. A prática também melhora a memória e a criatividade, e ainda reduz a ansiedade.

 

Fonte: Terra

 

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , ,
Comentar

RIR É O MELHOR REMÉDIO PARA A MEMÓRIA, INDICA ESTUDO

De e-mails para si próprio a anotações nas mãos, as pessoas tentam de tudo para não esquecer algo importante. Mas um estudo mostrou que uma boa gargalhada pode ser a melhor forma de melhorar a sua memória. Com informações do site do jornal britânico Daily Mail.

 

Pesquisadores americanos afirmam que as pessoas mais velhas estão mais propensas a se lembrar de alguma coisa quando estão rindo.

 

Isso porque o ato de gargalhar reduz os níveis de estresse, que, por sua vez, pode afetar de forma negativa a memória.

 

Cientistas da Loma Linda University, na Califórnia, pediram que 20 adultos saudáveis assistissem a um vídeo divertido, durante 20 minutos. Ao mesmo tempo, um outro grupo se manteve sentado calmamente, sem assistir nenhum filme.

 

Depois disso, todos os participantes fizeram um teste de memória e também tiveram amostras da saliva colhidas para que os especialistas pudessem medir os níveis de cortisol, o hormônio do estresse.

 

Os resultados mostraram que as pessoas que assistiram ao vídeo engraçado tiveram uma melhor performance no teste de memória de curto prazo, além de apresentarem índice mais baixo de cortisol.

 

O estudo reforça que as pessoas menos estressadas tendem a ter uma memória melhor. Isso porque rir aumenta o nível de endorfina no corpo, e envia dopamina ao cérebro, melhorando as sensações de felicidade e recompensa. Isso altera a atividade das ondas cerebrais, resultando em melhora da memória.

 

Fonte: Terra

 

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , , , ,
Comentar

ANVISA PROÍBE VENDA DE LOTE DE SUPLEMENTO EM TODO O TERRITÓRIO NACIONAL

Proibição vale para o lote L29 do Suplemento Proteico para Atletas sabor Morango e Banana, marca Protein Optimazer, que apresentou quantidade de carboidratos em mais de 20%

Resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicada nesta segunda-feira (14/4) no Diário Oficial da União proíbe a distribuição e a comercialização, em todo o território nacional, do lote L29 do produto Suplemento Proteico para Atletas sabor Morango e Banana, marca Whey Protein Optimazer – Cyberform, data de validade: 12/08/2015, fabricado por JSE Alimentos Ltda.

 

 

De acordo com o texto, laudo emitido pelo Instituto Adolfo Lutz apresentou resultado insatisfatório para o ensaio de carboidratos por ter sido detectada quantidade superior, em mais de 20%, ao valor declarado no rótulo do produto.

 

Segundo a Anvisa, o laudo também apresentou resultado insatisfatório para o ensaio pesquisa de elementos histológicos, uma vez que foi detectada a presença de fécula de Manihout utilissima (mandioca) na composição do produto. O item não é declarado na lista de ingredientes. A resolução entra em vigor hoje.

 

Fonte: Correio Braziliense

 

Categoria: Acontece
Tags: , , , , ,
Comentar

NOVO CURSO DE ODONTOLOGIA DO UDF

Já pensou em trabalhar em uma área que contribui para a saúde, educação e qualidade de vida das pessoas? Segundo o coordenador do curso de Odontologia, Prof. Dr. Emílio Barbosa e Silva, esses são pontos importantes que se deve pensar para ser um bom Cirurgião-Dentista.

 

 

Segundo ele, a matriz curricular do curso possibilitará ao aluno uma formação moderna e alicerçada nos princípios da ciência. “Teremos uma extensa carga horária com práticas clínicas para o aprendizado e treinamento, além de uma formação que irá preparar o futuro cirurgião-dentista para trabalhar tanto no serviço público como no privado, com pleno êxito e confiança”.

 

 

Confira uma seção de perguntas e respostas com o Coordenador, para entender melhor sobre o curso e o mercado de trabalho:

 

 

Quais são as habilidades necessárias para se tornar um bom Cirurgião-Dentista?

O profissional precisa aliar o profundo conhecimento teórico baseado em evidências científicas abordado durante a graduação, com extensa prática clínica baseada no treinamento de suas habilidades, estas que são desenvolvidas ao longo do tempo.

 

 

O que esperar do curso?

O curso de Odontologia do UDF traz uma proposta inovadora, com disciplinas práticas sendo desenvolvidas desde o início e ao longo de todo o curso. Esse diferencial fornecerá ao aluno um treinamento intenso e consistente, levando o aluno a contribuir com a saúde, educação e qualidade de vida da população. O objetivo é formar um profissional capacitado para atuar em diferentes contextos e situações (individuais e sociais), visando à melhoria da qualidade de vida das pessoas. Irá ainda preparar e capacitar o egresso nas melhores práticas de atendimento à população e também ao indivíduo. O curso está de acordo com as diretrizes do MEC e abordará em seu currículo todas as disciplinas necessárias e importantes para a formação de um profissional de qualidade.

 

 

Como está o mercado de trabalho para os profissionais da área?

Novos campos de trabalho abrem-se para inserir profissionais, como a atuação de dentistas nas UTI’s de hospitais, o atendimento a pacientes com necessidades especiais, a Odontologia do Trabalho e a Odontologia Legal, na qual profissionais atuam na área de perícia em Fóruns e Institutos Médicos Legais, além de averiguação in loco de crimes e acidentes. Isto faz com que o cirurgião-dentista frequente ambientes totalmente diferenciados do tradicional consultório. O último levantamento feito pelo Ministério da Saúde mostra a necessidade de se investir mais em políticas públicas efetivas, que incluam os profissionais cirurgiões-dentistas no seu rol de ações como nos programas de Saúde da Família, Brasil Sorridente e nos Centros de Especialidades Odontológicas. No setor privado, a Odontologia possui diversas especialidades que podem ser exercidas, e que a cada dia avançam com novas tecnologias e práticas modernas.

 

 

Conheça o Coordenador

 


Mestre em Odontologia e Doutor em Periodontia, o Prof. Emílio Barbosa, tem experiência em Odontologia com ênfase em Periodontia, Implantodontia, Microbiologia e Saúde Coletiva. Seus principais trabalhos foram voltados às doenças periodontais, microbiologia, cicatrização de feridas, periodontite crônica, diagnóstico.

 

 

Dr. Emílio explica que sempre se encantou pelas áreas de biologia e saúde. Com isto, buscou um curso em que pudesse dar assistência às pessoas e devolver na população um estado de saúde plena e prevenção de doenças. “No momento da escolha de minha profissão, a Odontologia preenchia todos os requisitos e critérios que vislumbrava para o meu futuro. Cirurgião Dentista seria a profissão que exerceria com amor e dedicação”, revela.

 

 

Clique aqui e confira mais detalhes do curso.

 

Categoria: UDF pra você
Tags: , , , , , , , ,
Comentar

PANE MENTAL, EFEITO DE UMA NOITE INSONE

A privação do sono amplia transtornos de humor, como a ansiedade, e prejudica o aprendizado e a tomada de decisões

Se você anda adotando estratégias erradas no dia a dia, convivendo com desempenhos baixos e discutindo sem motivo aparente, preste atenção no seu sono. Novas pesquisas confirmam que uma noite maldormida destrambelha o processamento das emoções, compromete o raciocínio e até debilita a memória.

 

Segundo um estudo do Laboratório de Sono e Neuroimagem da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos, indivíduos que passam pouco tempo na cama por apenas uma noite já ficam mais aflitos do que o normal ao serem obrigados a cumprir uma tarefa desafiadora. Exames de imagem retratam que a privação do sono catapulta o impacto do estresse em áreas do cérebro responsáveis pela atividade emocional, especialmente na amígdala, estrutura relacionada a respostas negativas e a experiências desagradáveis. Para as pessoas naturalmente ansiosas, o quadro pode ser ainda pior.

 

“O equilíbrio dos sentimentos depende da qualidade do sono, e vice-versa. Sem dormir direito, ocorrem alterações de comportamento, já que a produção de neurotransmissores e hormônios fica desregulada”, afirma a neurologista Anna Karla Smith, do Instituto do Sono, em São Paulo.

 

Uma das substâncias que vão às alturas quando não dormimos bem atende pelo nome de cortisol. E esse hormônio é conhecido por patrocinar o nervosismo ou até deflagrar uma crise de ansiedade exacerbada. “Aliás, essa molécula aparece em altos níveis nos pacientes com depressão. Talvez seja uma ligação química entre essa doença e a insônia”, sugere a bióloga Yara Fleury Van Der Molen, do Ambulatório de Neuro-Sono da Universidade Federal de São Paulo.

 

Já entre os neurotransmissores mais afetados pelo pouco tempo sob os cobertores se destaca a serotonina, ligada ao bem-estar. Sem um número adequado de horas dormidas, sua concentração no cérebro cai drasticamente. Aí, surgem mais irritação e até sensações dolorosas.
Não pregar os olhos abala inclusive nossas escolhas durante as refeições. Em um segundo levantamento da Universidade de Berkeley, os pesquisadores pediram a adultos que indicassem alguns alimentos de uma lista de 80 opções. Resultado: os voluntários privados de sono tendiam a preferir as guloseimas menos saudáveis. E tem mais: com o auxílio de exames de imagens, os cientistas verificaram que esses participantes apresentavam falhas no lobo frontal, parte do cérebro responsável pela tomada racional de decisões. Em outras palavras, muito provavelmente as poucas horas sonhando atrapalham o desempenho cognitivo de uma forma geral, que vai muito além da mesa de jantar.

 

De acordo com a neurologista Rosa Hasan, do Departamento de Sono da Academia Brasileira de Neurologia, em quem dorme pouco é possível notar uma maior dificuldade para tomar decisões, manter o raciocínio e até mesmo para manter uma conversação. “Determinadas ações, como dirigir, também ficam bastante comprometidas. Se for necessário fazer alguma escolha rápida, a pessoa terá sérios problemas”, complementa.

 

O curioso é que essas panes ainda implicam uma mente cada vez mais intranquila. “O sujeito tem a concentração diminuída e uma probabilidade acentuada de cometer erros. Quando percebe o equívoco, fica inseguro, e isso aumenta a ansiedade”, arremata Yara.

 

Dormir para aprender

Varar a madrugada com o intuito de estudar, diga-se, é uma espécie de autossabotagem, segundo uma pesquisa divulgada pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (Ucla), nos Estados Unidos. O estudo, conduzido pelo psiquiatra Andrew J. Fuligni e sua equipe, analisou as horas de estudo, as de sono e os resultados acadêmicos de 535 estudantes americanos, e descobriu que os alunos que dormiam menos possuíam dificuldade extra na compreensão de conteúdo passado pelo professor, além de receber notas mais baixas em provas.

 

“A fase do sono que fixa o aprendizado no cérebro é a REM, a dos sonhos e dos movimentos oculares”, ressalta o neurologista Shigeo Yonekura, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. “É nela que transformamos as memórias de curto em longo prazo”, completa. Acontece que chegar a esse estágio profundo – e permanecer nele – demanda um bom tempo de cabeça apoiada no travesseiro. “Por isso, privar-se de dormir facilita o esquecimento”, analisa Yonekura.

 

O artigo da Ucla ainda conclui que o sucesso acadêmico depende de uma estratégia de estudos que não culmine em bocejos e mais bocejos no dia seguinte. “Se for realmente necessário, sacrifique horas de outras atividades menos importantes, mas nunca deixe de dormir”, sugerem os autores americanos no texto do trabalho.

 

Claro que não conseguir apagar um ou outro dia é normal. A isso se dá o nome de insônia eventual, aquela que surge quando você está muito preocupado ou até animado. “Mas quem, por falta de sono, dorme duas horas a menos por mais de cinco dias na semana, durante mais de três meses, pode ser classificado como um insone crônico”, adverte o pneumologista e presidente da Associação Brasileira do Sono, Francisco Hora. Se esse for seu caso, vale ir atrás de um especialista.

 

Agora, há também aqueles que simplesmente se recusam a fechar as pálpebras já pesadas porque querem ver uns minutinhos de televisão, ler o final de um capítulo do livro ou decorar fórmulas para o exame final. Esse grupo, que fique claro, não está livre dos efeitos da carência de horas dormidas. Por isso é preciso se livrar dessas armadilhas. “O grande remédio para uma vida longa, com bom humor e excelente cognição é uma ótima noite de sono”, aposta Hora. Você não será o único satisfeito ao recarregar as energias de forma adequada. As pessoas que vivem ao seu lado também agradecerão.

 
A triste face da insônia

Ficar sem vontade de dormir pode ser sinal de depressão. Se essa situação não é contornada, a tristeza profunda dificilmente desaparece. E, mesmo quando ela some, a probabilidade de retornar é grande. Os antidepressivos lidam com a melancolia e provocam sonolência, mas precisam ser acompanhados de terapia para que questões emocionais, possíveis causas de ambos os sintomas, sejam resolvidas.

 

A insônia e o Alzheimer

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, revelaram que os problemas para dormir podem ser um dos primeiros sinais da doença de Alzheimer. Os estudos constataram uma redução no tempo de sono de ratos que começaram a desenvolver, no cérebro, placas da chamada proteína beta-amiloide, precursoras do mal.

 

Para turbinar o sono e a mente

A meditação relaxa ao mesmo tempo que garante atenção nos momentos necessários. Por isso, potencializa tanto o desempenho do cérebro no dia como traz a vontade de dormir à noite. Já os exercícios, além de causarem cansaço, o que ajuda a adormecer, estimulam os neurônios. Mas, se praticados perto da hora de dormir, geram insônia.

 

 

Fonte: Abril

 

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , , , , ,
Comentar

AÇÃO NO UDF COMEMORA O DIA MUNDIAL DA ATIVIDADE FÍSICA

Uma ação organizada pela Coordenação do curso de Educação Física do Centro Universitário UDF ressaltou a importância da prática de exercícios físicos para a melhoria da saúde. A proposta foi incentivar a pratica de exercícios através de um objeto muito comum entre os jovens: o vídeo game.

 

No horário do intervalo do período noturno, os alunos presentes na Área de Convivência foram convidados a brincar utilizando um vídeo game com sensor de movimentos. Enquanto brincavam, espantavam o sedentarismo e praticavam atividades físicas. Pelo segundo ano consecutivo, o evento atraiu um número considerável de participantes, fazendo com que deixassem a preguiça de lado e participassem da ação.

 

De acordo com a Coordenadora do curso, professora Juliana Costa, a prática de exercícios físicos, “além de trazer benefícios psicológicos como melhora da autoestima e de fatores estéticos, auxilia na prevenção da depressão e na melhora da memória.”

 

Vale lembrar que a prática de atividades físicas associada à alimentação balanceada é a melhor forma de promoção de hábitos saudáveis.

 

Categoria: UDF pra você
Tags: , , , , , , ,
Comentar

SAIBA O QUE NÃO COMER QUANDO SE ESTÁ ‘MORRENDO DE FOME’

Além de não saciar a fome, alimentos gordurosos e doces 'dão barriga' e ainda podem provocar doenças como a gastrite

Aquela fome ingrata bate no meio da tarde e você pensa em atacar o primeiro chocolate que vê pela frente. Saiba que esse hábito, além de não saciar a fome e não trazer vitaminas, pode provocar até gastrite. E o motivo é simples.

 

Rúbia Maciel, nutricionista da Natue, explica que o chocolate, quando ingerido de estômago vazio, estimula a produção de ácido clorídrico. “É um ácido já presente no estômago, a fim de digerir os alimentos, mas ele causa uma irritação maior na parede gástrica, podendo evoluir para uma gastrite”, alerta.

 

E não adianta nada. Segundo a nutricionista, o açúcar não mata a fome. Além disso, o corpo não vai precisar usar toda aquela glicose do doce e, para regular esse tanto de açúcar circulante no sangue, aciona a insulina que envia glicose para as células necessárias e guarda o resto para usar em uma próxima vez: a famosa gordurinha.

 

Por isso, quando a fome bater e o estômago estiver totalmente vazio, é mais prudente optar por alimentos ricos em fibras, como as frutas, verduras, legumes, castanhas e alimentos integrais, tal qual o trigo integral, aveia, quinoa, amaranto e outros.

 

Fonte: IG

 

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , , , , ,
Comentar

47% DAS FAMÍLIAS SE RECUSAM A DOAR ÓRGÃO DE PARENTE COM MORTE CEREBRAL

Falta de conhecimento sobre irreversibilidade da morte encefálica é principal causa de recusa de doação de órgãos

Família de Gizele se reúne na festa de natal, dias depois Varlei morreria repentinamente

Não é a falta de estrutura, mas a negativa familiar o principal motivo para que um órgão não seja doado no Brasil. De todas as mortes encefálicas e que, portanto, os órgãos poderiam ser transferidos para pacientes que correm risco de morte, pouco mais da metade se transforma em doação. O número é alto e cresceu de 41%, em 2012, para 47% em 2013, segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO).

 

De acordo com o nefrologista José Medina Pestana, a principal justificativa das famílias para não doar órgãos é o fato de nunca terem conversado sobre o desejo de doar. “Por isso, insistimos que isso tem que ser assunto de família”, diz o integrante da ABTO.

 

Quando isso não é um assunto resolvido, cabe a uma equipe do hospital responsável pela captação de órgãos explicar à família que a morte encefálica já é a morte. Quando ela é decretada é porque ocorreu a parada definitiva e irreversível do cérebro e do tronco cerebral, o que provoca em poucos minutos a falência de todo o organismo.

 

No Hospital Bandeirantes, coube a uma integrante desta equipe conversar com a professora de língua portuguesa Gizele Caparroz de Almeida, 50 anos. Na festa de Ano Novo, seu marido, Varlei de Almeida, sentiu uma forte dor de cabeça. Era mais uma vítima de um AVC hemorrágico.

 

Na segunda-feira do dia 6 de janeiro deste ano, menos de uma semana após o AVC, Varlei morreu. “A gente não sabia o que era morte cerebral. A gente nunca tinha falado sobre doação de órgãos. Se tem um mito em família é o mito da morte. Ninguém está preparado para isto. Eu não estava”, lembra Gizele.

 

Gizele conta que a atuação da enfermeira captadora de órgãos foi fundamental não só para que os órgãos fossem doados, mas também para que a família entendesse o que estava acontecendo e trabalhasse o luto. Além de explicar que a morte cerebral é irreversível, a profissional explicou que tinham sido feitos testes neurológicos e clínicos que atestavam a morte.

 

“A enfermeira Tamires fez  muito mais que uma captação de órgãos. Foi um apoio psicológico para todos nós. Explicou o que estava acontecendo, o que era morte cerebral, respondeu nossas perguntas. É uma situação irreversível, mas não sabíamos disso e ainda tínhamos esperança que ele se recuperasse de uma espécie de coma. Principalmente minha filha mais nova ainda tinha muitas esperanças de que o pai sobrevivesse”, lembra Gizele.

 

Após a conversa – em que participaram Gizele, as duas filhas (de 14 e 20 anos), o sogro e a cunhada – o fígado, os rins e a pele de Varlei foram doados. A família não pode doar o coração, pois os remédios durante a internação de cinco dias comprometeu a doação do órgão.

 

“A doação é uma forma de transformar a dor em algo bom. As pessoas podem fazer algo bom de uma situação de extrema tristeza como esta que estou vivendo. Eu sei que é uma visão romântica, mas a doação ajuda a pensar que ele continua”, diz Gizele. “Estávamos casados há 25 anos, no ano passado fomos viajar, trocamos aliança. É uma dor imensa. A morte foi de uma hora para outra. A gente tem – e eu não vou falar tinha – uma família linda. Mas não tem ruptura quando se tem amor”, completa.

 

No início de março, Gizele voltou a dar aula. “Acho que é melhor não parar, né?”. Na primeira semana de aula os alunos fizeram um projeto sobre o acidente de Santa Maria, onde mais de 200 pessoas morreram. “Os meus alunos escreveram crônicas lindas sobre o que aconteceu e um dos temas abordados foi a necessidade de muitos receberem doação de pele. Não tinha banco suficiente no Brasil”, lembra.

 

Fonte: IG

 

 

Categoria: Em pauta
Tags: , , , , , , ,
Comentar
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.