QUANTAS FASES TEM CANDY CRUSH SAGA?
Comentários desativados

Ó Oráculo que tudo sabe, tudo diz. Já vi você responder perguntas sobre física quântica e astronomia, sobre medicina e biologia. Mas quero ver você responder a maior dúvida que assola a humanidade neste momento: afinal de contas, quantas fases tem o Candy Crush Saga? E não adianta começar a jogar, porque o meu irmão já passa da 350 e parece estar longe do fim!

 

CANDY CRASH

 

 

Seu irmão está próximo do  fim. Atualmente, há cerca de 385 fases no Candy Crush Saga, segundo a King, criadora do jogo. “Atualmente” porque esse número muda constantemente, para deixar vocês, noias dos games, felizes e fritadinhos.

 

O pessoal da empresa explica que eles tentam fazer atualizações do jogo a cada três semanas. E a maioria dessas atualizações inclui novas fases para os viciadinhos.

&nbsp%3

Categoria: Acontece
Tags: , , , , ,
Comentários desativados

DESCUBRA A ORIGEM DE 5 LOGOS FAMOSOS

New York, New York

 

Todo mundo conhece alguém que conhece alguém que tem a famosa camiseta “Eu amo NY” (ou alguma versão adaptada para outra para outro lugar do mundo), mas pouca gente sabe que ela foi criada em 1981 pelo ilustrador nova-iorquino Milton Glaser.

 

A simples substituição da palavra “amor” pelo coração foi responsável por criar um dos símbolos mais reproduzido de toda a história.

 

Glaser nasceu na Big Apple em 1929 e é cofundador da conhecida revista “New York Magazine”.

 

Uma obra de arte

 

Ficamos tão acostumados a ver certas marcas no nosso dia-a-dia que esquecemos que algumas delas podem ser verdadeiras obras de arte. É o caso da logo do pirulito catalão chupa-chups, criado pelo famoso pintor surrealista Salvador Dalí.

 

 

Entre relógios derretidos e bigodes pontudos, o famoso pintor teve tempo para tomar um café com seu amigo Enrico Bernat, que reclamava que o pirulito que tentava lançar no mercado ainda não tinha um símbolo definido.

 

De acordo com os relatos de Bernat, Dalí começou a trabalhar naquele exato momento, e em uma hora foi capaz de conceber o símbolo rabiscando nas bordas dos jornais que tinha a seu redor (em troca de uma boa quantia em dinheiro, é claro). Ele insistiu para que a marca fosse colocada no topo do produto, e não nas laterais, como costumam fazer a maioria dos concorrentes. Isso garantiria que a imagem estivesse sempre voltada ao consumidor e não se rasgasse quando a embalagem fosse aberta.

 

Just do it

 

35 dólares: esse foi o preço pago à estudante de design Carolyn Davidson, em 1971, pela criação do símbolo que mais tarde seria mundialmente famoso como logotipo da Nike. Ela criou o conceito antes mesmo de se graduar na universidade de Portland, nos Estados Unidos.

 

 

Comenta-se que em 1983 ela teria recebido de presente da companhia um anel de diamantes com a marca criada por ela, e certa quantidade de ações da empresa, cujo valor não foi revelado.

 

 

Olha o passarinho!

 

O passarinho que simboliza a rede social Twitter é um dos poucos logotipos mundialmente famosos que custaram ainda mais barato que o logo da Nike. Pois é, você não leu errado não, o passarinho azul custou exatos 15 dólares! Ele surgiu a partir de uma imagem armazenada em um banco de dados, comprada por essa quantia – o artista responsável por sua criação, Simon Oxley, recebeu pouco mais de seis dólares. O logo sofreu pequenas alterações para se “modernizar” no início de 2011.

 

 

 

Aqui você pode descobrir quanto custaram outras marcas famosas que estamos acostumados a ver por ai.

 

Outras marcas também apostaram em modernizar um pouco suas aparências. Descubra aqui se você sabe relacionar os símbolos antigos com os novos.

 

Dinheiro na mão é vendaval

 

Talvez você não saiba, mas dois dos símbolos que você mais encontra por ai foram 0800, na faixa, não custaram nadica de nada: Google e Coca-Cola não pagaram nada para os criadores de suas logomarcas. No caso do Google, foi o próprio fundador, Sergey Brin, quem concebeu a ideia da marca, em 1998.

 

 

 

Já o autor do símbolo da Coca é Frank Manson Robinson, que era o escriturário de John Pemberton, o criador da bebida. Foi ele quem sugeriu que a logomarca fosse feita com a fonte Spencerian Script, que existia desde a metade do século XIX. Detalhe: ele não ganhou nada por isso.

 

Assim como a Spencierian Script, outras fontes de logos famosos podem ser baixadas de graça.

 

Íntegra Super Interessante

Categoria: UDF pra você
Tags: , , , ,
1 Comentário

POR QUE TEMOS A SENSAÇÃO DE “DÉJÀ VU”?

Sabe aquela sensação de estar vivendo uma coisa que já aconteceu? E aí nós ficamos na dúvida se sonhamos aquilo ou se voltamos no tempo (vai que, né?) ou se é a nossa vida que repete muito, mesmo. Qualquer que seja a nossa teoria, esse fenômeno, chamado de “déjà vu”, desperta a curiosidade de muitos cientistas por aí – e nenhum deles conseguiu, ainda, entender realmente do que se trata.

 

 

Quer dizer, até agora. Um estudo do Central European Institute of Technology (CEITEC MU) e da Faculdade de Medicina da Universidade de Masaryk, na República Tcheca, trouxe alguma luz sobre o mistério.

 

Os pesquisadores descobriram que certas estruturas cerebrais específicas têm um impacto direto sobre isso. Exames feitos com ressonância magnética com 113 voluntários mostraram que o hipocampo, estrutura localizada nos lobos temporais do cérebro onde as memórias se originam, eram consideravelmente menores em pessoas que vivem tendo essa sensação, em comparação com quem nunca teve uma experiência assim. E tem mais: quanto mais frequentes os déjà vus, menores eram essas áreas.

 

“Quando estimulamos o hipocampo de pacientes neurológicos, conseguimos induzir neles a sensação de déjà vu. Ao encontrar as diferenças estruturais no hipocampo em pessoas saudáveis ​​que têm ou não tal experiência, mostramos que ela está diretamente ligada à função destas estruturas cerebrais”, afirmou o autor principal do estudo, Milan Brázdil, do CEITEC.

 

Para ele, o déjà vu é provavelmente causado por uma superexcitação de células nervosas em hipocampos mais sensíveis. Isso causaria um pequeno “erro no sistema”: as lembranças falsas. “Tal sensibilidade maior pode ser consequência de alterações nessas regiões do cérebro que podem ter ocorrido durante o desenvolvimento do sistema neural”, explica Brázdil.  O hipocampo é excepcionalmente vulnerável a várias influências do ambiente externo, como as patológicas (como inflamações) ou fisiológicas (como o stress ou privação do sono), principalmente na primeira infância.

 

Apesar de parecer misterioso, o déjà vu é uma experiência comum: segundo os pesquisadores, entre 60% e 80% dos indivíduos normais já passou por isso.

 

Fonte: Íntegra Super Interessante

Categoria: Acontece
Tags: , , , ,
1 Comentário

POR QUE VOCÊ NÃO CONSEGUE VER O AR?

Como a atmosfera é composta por gases incolores, não conseguimos enxergar o ar

Para que pudéssemos vê-los, teriam que ter cor. Esse é o mesmo princípio do arco-íris, com cada um dos seus sete raios que compõe cor.

 

 

Quando esses elementos químicos absolvem luz, as cores se tornam visíveis. Mas, nem todos os raios que formam a luz, são visíveis – esses são aqueles que não conseguimos enxergar.

 

Como a atmosfera é formada por 99% de oxigênio e nitrogênio, que só retêm os raios invisíveis ultravioletas, não há como “ter cor” no ar.

 

Fonte: Super Interessante

 

Categoria: Fique de Olho
Tags: , , ,
Comentar
Termo de Uso de Conteúdo –

Nós permitimos e incentivamos a reprodução do conteúdo deste blog, desde que as condições determinadas abaixo sejam respeitadas.
Qualquer utilização que não respeite este Termo será considerada violação de propriedade intelectual e estará sujeita à todas as sanções legais.
Você pode copiar, distribuir e exibir o conteúdo, sob as seguintes condições:


Atribuição

Você deve dar crédito ao autor original sempre que o conteúdo possuir autoria. Veja o exemplo abaixo.
Por: (inserir o nome do autor)


Origem


A fonte deve ser citada da seguinte forma: Fonte: UDF.Blog (com o  link http://blog.udf.edu.br/)


Utilização do conteúdo


É vedada a criação de obras derivadas do conteúdo do UDF.Blog.
Você não pode alterar, transformar ou criar outra obra com base nesta.
Você não pode utilizar o conteúdo para finalidades comerciais ou publicitárias.


Política de Privacidade


Todas as informações fornecidas por você serão utilizadas para sua identificação.
Seus dados não serão vendidos ou compartilhados com terceiros sem sua prévia autorização.
Caso tenha solicitado, usaremos seus dados para mantê-lo informado sobre serviços, novidades e benefícios. Você sempre terá a opção de cancelar o recebimento de tais mensagens.


Condições gerais para os comentários


Buscando manter um relacionamento mais próximo e oferecer a possibilidade de participação dos usuários em nossos conteúdos, comentários são permitidos e bem-vindos em nosso blog.
Eles estão sujeitos a aprovação e serão publicados sempre que de acordo com as seguintes condições:

Os conteúdos dos comentários publicados são de responsabilidade dos usuários, não tendo nenhuma interferência ou opinião do UDF Centro Universitário.